sexta-feira, 15 de novembro de 2013

" rio Zaire, Soyo, Sazaire, Stº António do Zaire, M'Pinda, Kifuma, Nóqui, Angola - Boma, Matádi, Banana, Muanda RDC "




Em actualização 


 





vista aérea foz rio Zaire e península extrema ponta Padrão margem esquerda

vista aérea foz rio Zaire 
  vista da foz rio Zaire e  a Ponta do Padrão. Foto tirada da Ponta Bulambemba RD Congo, Banana, margem direita

 de Banana vista do estuário rio Zaire, margem direita
de Banana vista do estuário rio Zaire
vista aérea da cidade  e ponta Banana e foz rio Zaire, margem direita 


 
 


nesta foto nota-se a erosão da Ponta do Padrão na eminência de desaparecer, pelo facto das drenagens efectuadas na base petrolífera de Muanda, Soyo
 
 



 
 














 
 
  
 
 


























 
 
 
 









 
 
 
 
 
vista aérea da baía de Diogo Cão, Soyo/Sazaire
vista da foz rio Zaire e da República Democrática do Congo, de Kuanda Base
vista da foz do rio Zaire e R.D. do Congo, da ponta do Padrão
 
 
 











 



 


Soyo - Stº. António do Zaire - Sazaire, Angola

O Soyo, desde 5 de Abril de 1974, foi elevado à categoria de cidade, através duma portaria do então Governador-Geral de Angola, sob a administração das autoridades portuguesas.
Soyo, nome natural reposto depois da independência nacional, no período colonial era Stº António do Zaire, ou simplesmente Sazaire.
Localizada no extremo do litoral Norte, na margem esquerda da foz do rio Zaire, a cidade do Soyo é rica em petróleo, gás natural, pesca, caça, agricultura, artesanato e turismo.
A propósito da efeméride, o administrador municipal do Soyo falou à Angop dos ganhos e perspectivas de desenvolvimento e crescimento da região, fruto dos esforços do dia a dia das autoridades e dos munícipes da cidade.
O administrador disse que a região, nos últimos oito anos teve um grande crescimento na educação, saúde, energia e águas, comunicações, desporto, comércio e trismo, indústria e cultura.
Os projectos do sector da educação privilegiam todas as comunas, povoações e bairros do município, onde, só este ano, foram construídas 40 salas de aulas, das 100 previstas, para o impulso das infra-estruturas do ensino primário, secundário e médio.
De acordo com o administrador do Soyo, cada localidade tem um centro ou posto médico, nomeadamente nas comunas de Manga Grande, Quelo, Pedra do Feitiço e Sumba.
Nas áreas urbanas e suburbanas, os sistemas de distribuição de água potável funcionam, depois de construídas estações de tratamento e fontanários, mas o governo aposta em novos investimentos no sector, para responder ao vertiginoso crescimento populacional.
Esta iniciativa abrange o sector de energia.

A cidade é abastecida por uma central de turbina a gás e nas comunas e aldeias existem geradores. 
 
 
correios Soyo
 igreja Simão Kimbango, centro kuimbanguista
hospital moderno do Soyo
igreja paroquial do Soyo, Sazaire
  



 

 
hotel Nempanzu, Soyo

antevisão condomínio Diogo Cão

 

 casa típica Sazaire
avenida principal Sazaire década 1960

 escola primária em Sazaire

 
 
 
 
 
parque turístico do kifuma
 
 
 
 
missão católica do M'Pinda
  posto fuzileiros da Quissanga, década 1970
posto fuzileiros do Puelo  
 posto fuzileiros do Tridente
posto fuzileiros da Macala

lancha marítima em Sazaire


A Pedra do Feitiço

Fica a cerca de 80 Km do Soyo, subindo o rio Zaire

A viagem por estrada, é efectuada em picadas em muito más condições, principalmente quando chove e demora mais de 3 horas. Passa-se por algumas zonas de savana, principalmente depois do Sumba, com picada de areia, onde se pode carregar um pouco mais no acelerador.

São vários os bairros ao longo do caminho, limpos e ordenados, onde se avista imensas crianças a brincar.

O bairro da Pedra do Feitiço tem algumas casas de traça portuguesa, a maior parte abandonadas.

Lá no alto junto ao rio, sobrevive ainda o quartel dos fuzileiros navais, em ruínas, onde reside o comandante e a tropa.
  
Um livro de Ferreira da Costa:


“A Pedra do Feitiço existe. Fica distante de Santo António do Zaire, quase em frente de Boma. É um morro pedregoso, agreste e nu. Triste. Sinistro, por vezes. Assenta no limite de savanas bravias, onde as tsé-tsé instilam venenos letais, os carnívoros despedaçam corças e todos os brutos urram de ansiedades frenéticas, nos contactos da procriação. Para lá da colina rochosa, desliza o grande rio majestoso – o Zaire. 
O calor martiriza. Entontece. Leva ao desvario. Nem réstia de sombra, para lenitivo de tamanho tormento.
 Em torno não se vislumbram sinais de vida humana. 
Paira um silêncio trágico, primitivo, só atenuado, ao descer a noite, pelo resfolegar dos hipopótamos e os gritos estridentes dos abutres. 
Chega-nos o cheiro nauseabundo da carne podre – carcaças sanguinolentas, restos de festins nocturnos das panteras e dos chacais. 
Na margem, entre limos e juncos, brilha o olhar vítreo dos jacarés. É assim a Pedra do Feitiço.”
..............
Obs: na década de 1970, a mosca do sono e o mosquito anofeles plasmódium, ainda actuavam, com menos frequência devido ao combate sistemático das autoridades sanitárias por meios adequados à sua extinção. Quanto ao cenário traçado do texto parece haver um certo exagero primitivo...

 
 

 
 
 




rio Zaire visto da margem direita, Boma  
 
 



afluente do rio Zaire em Nóqui
vista do rio Zaire montante de Nóqui
vista do rio Zaire do porto fluvial Nóqui
 
  afluente do rio Zaire, em Nóqui
  vista do rio Zaire a jusante de Nóqui
 
 
 
montante de Matádi, junto à foz rio M'Pozo
vista da cidade de Matádi, RDCongo da margem direita do rio Zaire
município de Nóqui, Angola 
  rio Zaire, ao fundo o município de Nóqui


 
 
a cidade de Matádi, RDCongo 
  rio Zaire vista da margem direita
 rio Zaire visto da margem direita
 rio Zaire perto da cidade de Boma. RDCongo
 rio Zaire visto da margem direita
 costa marítima Atlântica em Banana, RDCongo, vista para Sul perto da foz rio Zaire
 costa marítima Atlântica, em Muanda, RDCongo, vista para Norte
parque nacional  Moncrove -RDC

Recordações Flávio Ramos



 hospital Sazaire década 1960

1 comentário:

  1. Estive em Stº. António do Zaire em 69/70, no Pelotão de Intendência 2152, tenho fotos diversas, se souber como, posso endereça-las. Manuel Neto

    ResponderEliminar