segunda-feira, 5 de agosto de 2013

" América, os dois mapas mais importantes"



do Nascimento e do Baptismo!


Por Manuel Luciano da Silva, médico

O Mapa do Nascimento  da América  

“Carta Náutica de 1424”  

Não sabemos quantos milhões  custou o original  --  tem estado  guardado na   Biblioteca de Universidade de Minnesota  na Colecção de  James Ford Bell. Foi  feito pelo cartógrafo  Zuanne Pizzigano e  tem  o nome e a data  marcados no próprio mapa:  22 de Agosto de 1424,  mostrando a pela primeira vez Terras da América do Norte!
A Carta Náutica de 1424, em pergaminho, tinha o número 25,924, entre os 60,000 manuscritos velhos  e raros da Colecção fabulosa de Sir Thomas Phillips de Londres, Inglaterra. 
Em 1950, o Professor Armando Cortesão, um  representante português  na  UNESCO,  considerado o melhor especialista mundial em mapas antigos e cartografia, foi enviado para examinar a Carta Náutica  de 1424. 
Ele gastou 5 anos a estuda-la.
Ambos estes mapas revelam  muita influência  dos Descobrimentos Marítimos Portugueses.

O Mapa do Nascimento  da América


Carta Náutica de 1424

A – É  a área  que contem o nome do cartógrafo e data da feitura do mapa
B -  Mostra as 4 ilhas misteriosas:    Saya, Satanazes, Ymana  e Antilia
C – Mostra as ilhas  dos Açores, da Madeira e até das Canárias
D - Mostra a costa do norte da África, Gibraltar, as costa de Portugal, de Espanha,  da França  até a Inglaterra

O Mapa do Nascimento  da América – chamado “Carta Náutica de 1424”— é para mim  muito mais querido, porque  fui a primeira pessoa  no mundo a fazer o diagnóstico  certo das suas latitudes.
Entre tantos milhares de historiadores e  tantos milhares  de Universidades que há no  mundo,  NUNCA NINGUÉM pensou em  traçar as linhas de latitude na Carta Náutica de 1424!!!
Coube  a mim essa grande descoberta original!  
Como é que  fiz?  
Primeiro -   sabia que a aldeia onde eu nasci no Norte de Portugal tem uma latitude de 40 graus norte-

PRIMEIRO - Latitude  da minha aldeia 40 graus norte projectada através   do Atlântico
SEGUNDO -  Segui  a sequência da minha prática médica  de examinar um doente:  primeiro  mede-se a tensão arterial e segundo  ausculta-se o coração.
TERCEIRO - Coisa semelhante faço sempre quando examino um mapa: primeiro procuro linhas de longitude (horizontais) e segundo as linhas  de latitude (verticais).
Foi no dia 7 de Novembro de 1986, numa sexta feira,  quase à meia noite, que examinei,  muito atentamente,   o mapa   “The Nautical Chart  of 1424” publicado   em 1954 em  inglês pela Universidade de Coimbra, Portugal,  da autoria do Professor  Armando Cortesão.   (Tenho o exemplar  No. 242)

MAS A CARTA NÁUTICA DE  1424  NÃO MOSTRA NENHUMAS LINHAS DE LONGITUDE,  NEM DE  LATITUDES !!!

Obtive uma cópia em Xerox da Carta Náutica de 1424. Comecei a traçar  as linhas de latitude em 50 graus Norte, 45 graus, 40 graus, e 35 graus.
Verifiquei logo que dentro  dessas linhas  de latitude  ficavam as QUATRO ILHAS MAIS OCIDENTAIS  com nomes portugueses  -- SayaSatanazesAntilha e Ymana  -- isto é, correspondentes   às ilhas da Terra Nova e da Nova Escócia   na América do Norte.


A seguir  medi as latitudes da Grandes e Pequenas Antilhas na América Central.
Fui subitamente surpreendido por uma enorme discrepância entre as latitudes das Antilhas  na  Carta  Náutica  de 1424  e as latitudes  das Antilhas no Mar da  Caraíbas. 
As ilhas  das Caraíbas ficam localizadas entre   as latitudes de 23 e 10 Norte. 
Há uma  diferença equivalente  a um erro de mais  de 1,700 milhas!

Análise comparativa das latitudes  em todo o Atlântico  
Traçando as linhas de latitudes   através do Atlântico do lado  da América  e do lado da Europa NOTAMOS  que  a Terra Nova e Nova Escócia  estão situadas  entre as  latitudes  de   50  e 40 graus norte.
Enquanto as latitudes  das ilhas  na América Central estão  contidas entre as latitudes de 23  (Cuba)  e  10  (Trindade) ao sul

Fundir a escala da Carta Náutica de 1424 com  escala dum mapa  mundial actual.
Primeiro -- obtive   um negativo da Carta Náutica de 1424
Segundo --  projectei,  na  câmara  escura  este  negativo,  por meio dum ampliador, fazendo coincidir as costa marítimas da Carta Náutica de 1424 com as costas marítimas dum  mapa actual mundial da National Geographic  e   verifiques que as QUATRO  ILHAS   se projectaram no Atlântico Norte, muito longe das ilhas  da América Central.

Comparação  dos contornos  e das baías da QUATRO  ILHAS,   com os contornos  e as baías da Terra Nova e da Nova Escócia.


Comparação dos ângulos de inclinação   da QUATRO ILHAS com a Terra Nova e Nova Escócia
 --- das QUATRO ILHAS ,
--- do grupo da Terra Nova e Nova Escócia
---  e  do  grupo das ilhas na América Central 
A Pedra de Dighton  tem uma latitude  de 41  graus e 41 minutes Norte,
portanto dentro das latitudes da QUATRO ILHAS  da Carta Náutica de 1414.

Conclusões

(1) Não existem absolutamente nenhumas dúvidas sobre a veracidade e autenticidade da Carta Náutica de 1424.
(2) A Carta Náutica de 1424 é o documento geográfico mais importante  e mais antigo que se conhece mostrando, pela primeira vez, terras da América
 (3) Na Carta Náutica  as Verdadeiras  Antilhas  estão desenhadas a NOROESTE dos Açores e inclinadas para a Europa,
(4) O facto do autor da Carta Náutica de 1424, Zuanne Pizzigano,  ser de Veneza e usar nomes portugueses nas quatro ilhas é testemunho óbvio     que elas foram  descobertas, primeiro, por marinheiros portugueses.
(5) Este mapa, obviamente, demonstra  que  os arquipélagos  dos Açores , Madeira  e Canárias  foram descobertos por alguém ANTES  de 1424!
(6) As linhas de latitude da Carta Náutica de 1424 estão na linha directa de consequências das inscrições portuguesas da Pedra de Dighton, em Berkley, Massachusetts onde o Miguel Corte Real  gravou o  seu nome e  os Símbolos Nacionais Portugueses.  
Por  saber  que a latitude da aldeia onde  nasci,  no Norte de Portugal,  é de 40 graus Norte, este dado serviu de inspiração para    vir  a decifrar as latitudes da Carta Náutica de 1424.  
Há mais de cinco séculos e meio que o mundo inteiro está convencido de que as Antilhas, também chamadas as Índias Ocidentais, estão localizadas no Mar das Caraíbas na América Central. 
Mas agora (1987), o Dr. Manuel Luciano da Silva, médico em Bristol, Estado de Rhode Island, Estados Unidos da América, demonstrou que isso é um erro enorme com uma discrepância de duas mil  milhas e 578  anos de duração!
A palavra Antilha é exclusivamente portuguesa. 
Sessenta e oito anos antes de Colon ter chegado às ilhas,  a que se tem  vindo a chamar Antilhas no Mar das Caraíbas, já  os navegadores portugueses tinham descoberto as Verdadeiras Antilhas na América do Norte. 
As Antilhas que os portugueses se referiam não eram Cuba, Jamaica, Porto Rico, Haiti, Santo Domingo e as muitas pequenas ilhas até à  Trindade, mas  sim,  a Terra Nova, Nova Escócia e a ilha  Príncipe Eduardo, no Canadá!

O Dr. Luciano da Silva demonstrou a sua descoberta sobrepondo um negativo-fotográfico da famosa Carta Náutica de 1424, num mapa moderno do Atlântico -- fundindo as costas da África e da Europa dos dois mapas -- e verificou que as Antilhas, desenhadas no mapa antigo, coincidiam com maior precisão com as latitudes da Terra Nova e Nova Escócia do que com as ilhas no Mar das Caraíbas, que ficam a mais de duas mil milhas de distância para o sul.
Sabe-se a Terra Nova e Nova Escócia  estão entre os 50 e 43 graus de latitude Norte. 
As quatro ilhas na Carta Náutica de 1424 estão entre os 47 e 35 graus de latitude Norte.
As Antilhas no Mar das Caraíbas, entre Cuba e Trindade, estão a 23 e 10 graus de latitude Norte, acima do equador! 
Há uma diferença de 25 graus, ou seja um erro de quase duas mil milhas de distância!
O  Dr. da Silva observou também que os contornos, os tamanhos e as posições das ilhas no mapa de 1424, correspondem exactamente à Terra Nova, Nova Escócia e a ilha do Príncipe Eduardo. 
Na carta Náutica de 1424, as Antilhas estão localizadas a Noroeste dos Açores, enquanto que as ilhas do Mar das Caraíbas estão a  Sudoeste dos Açores.
O  Dr. Silva evidenciou: 
As numerosas baías e enseadas desenhadas no mapa de 1424 se metem pela terra dentro, correspondem nitidamente às costas marítimas actuais da Terra Nova e Nova Escócia com numerosas baías profundas que se metem também pela terra dentro.
Demonstrou: 
Todas as ilhas no mapa de 1424 estão inclinadas para a Europa tal qual a Terra Nova e Nova Escócia. 
Em contrapartida as ilhas das Caraíbas, ou Índias  Ocidentais, estão inclinadas numa direcção contrária, isto é, inclinadas para a América Central,  fugindo da Europa.
Presentemente o original da Carta Náutica de 1424, feito em pergaminho, faz parte da Colecção de James Bell Ford, na Universidade de Minnesota. 
Esta Universidade, em 1954, pagou, à Colecção Sir Thomas Phillips de Londres, Inglaterra, uma quantia fabulosa de dólares por este famoso documento.
A revelação original do Dr. Manuel Luciano da Silva está já a causar grandes ondas de controvérsia excitante, de tal modo que a sua descoberta vai forçar uma reexaminação e finalmente uma correcção na geografia histórica das Américas. 


O Mapa do Baptismo da América  

mapa do cartógrafo "Martin Waldseemuller de 1507"

Foi  o mapa mais caro  em todo mundo feito pelo cartógrafo  Martin Waldseemuller,  datado de 1507 e que apresenta escrito no próprio mapa  nome AMÉRICA pela primeira vez! 

Martin Waldseemuller, cartógrafo alemão,  membro do grupo de eruditos  do Vosgean Gymnasium em Saint-Die-des-Vosger em Loraine (entre a França e a Alemanha),   resolveu criar um a obra gigantesca de fazer um milhar de mapas mundiais de parede com  doze gomos ou folhas, para serem colocados  numa esfera  e serem vendidos aos ricos da Europa e do mundo. 
Do milhar de exemplares deste  mapa  só apenas um sobreviveu. 
Foi o que ficou guardado 400 anos   no Castelo do Príncipe  Johannes  Waldburg-Wolfegg em Wurttember, na Alemanha,  acabando por ser descoberto pelo historiador Jesuíta Joseph Fischer em 1901.  
Por causa da I e II Guerras Mundiais,  das depressões económicas, só em 2001 (um século depois) é que este mesmo mapa foi emprestado  para exibição pública na  Biblioteca  do Congresso Americano em Washington.
Foi a Biblioteca do Congresso Americano  que pagou ao Governo da Alemanha a bonita  quantia de DEZ milhões   de dólares! 
A Chanceler Ângela Merkel numa cerimónia simbólica entregou o mapa à Biblioteca  do Congresso Americano, no dia  30 Abril de 2007.

Este mapa está agora preservado  num microclima cheio de argão  para evitar a sua oxidação.

mapa mundo Martin Waldseemuller de 1507

América do Sul com o nome  AMÉRICA
Notar a Bandeiras Quinas no Cabo Horn
Notar  também o Oceano Pacífico e a Cordilheira  dos Andes

Nome AMÉRICA gravado na América do Sul  entre o Brasil (Rio grande do Sul)  e Uruguai.
Notar Bandeira das Quinas neste mapa, extrema superior  direita.


Mapa da Costa do Pacífico mostrando o ângulo de 45 graus entre o Chile e  Peru,  tal qual como hoje.
Mapa Waldseemuller na Biblioteca do Congresso em Washington

Engenheiro  Sérgio Filipe  da grande  Companhia Siemens, nascido na Alemanha,  filho de pais  portugueses, ofereceu uma cópia do Mapa de Waldseemuller ao   Museu-Biblioteca  com o meu nome em Cavião, Vale de Cambra Portugal. 
A nossa Biblioteca  foi a primeira instituição  portuguesa a possuir  um exemplar   deste mapa.

  Globo de Waldseemuller de 1507

Sem comentários:

Enviar um comentário