terça-feira, 23 de julho de 2013

" Fortaleza S. Miguel, Fortaleza do Penedo, Igrejas, Muxima, Massangano, Cambambe, Ambriz, Quibala, Quicombo"


Em actualização..............................
Fortaleza S. Miguel
 
Fortaleza de São Miguel de Luanda
A Fortaleza de São Miguel de Luanda, com ordem militar, localiza-se no antigo monte de São Paulo, actualmente denominado de Morro da Fortaleza, nas proximidades da ponte da Ilha de Luanda, em Angola. Foi a primeira fortificação a ser erguida em Luanda, no século XVI, durante o governo de Paulo Dias de Novais, primeiramente construída em taipa e adobe, substituídos em 1638 por barro, taipa e adobes. Nessa época apresentava a forma de uma estrela com quatro pontas, com o sistema abaluartado, segundo os métodos italianos mais actualizados da época, sobretudo os do mestre Benedetto da Ravenna. Depois de oito anos de ocupação holandesa, começou a ser construída em alvenaria em 1669, fazendo parte das obras obrigatórias dos sucessivos governadores. Finalmente, no governo de D. Francisco de Sousa Coutinho (1764-1772), as obras terminam, com a construção de uma bateria do cavaleiro, armazéns à prova de bomba e uma cisterna que ficou conhecida como Cova da Onça, seguindo o estilo barroco militar, na base da ambiguidade, pluralidade e descentramento. Os muros foram-se consolidando em pedra e cal em diferentes épocas, concluindo-se já no século XX. Ficava assim engenharia militar de Angola. Do ponto de vista urbano, a fortaleza foi sempre um marco ordenador do espaço da cidade. Nos primeiros tempos, foi o limite do aglomerado que se desenvolvia para sudoeste, em direcção à Praia do Bispo. Mais tarde, cerca de 1648, quando a Barra do Corimbo ficou assoreada, a cidade passou a desenvolver-se para o lado norte, do outro lado do morro, mantendo desta forma o seu papel ordenador. Actualmente, é Museu das Forças Armadas. Erguida por determinação do primeiro Governador, Paulo Dias de Novais, em 1575, é a primeira estrutura defensiva construída em Luanda (e em Angola). No contexto da Dinastia Filipina, a cidade de São Paulo de Luanda foi alçada à categoria de capital administrativa da região de Angola em 1627. Para a sua defesa, foi erguida uma nova fortificação, concluída em 1634.
O forte e a cidade caíram em mãos da Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais no período de 24 de Agosto de 1641 a 15 de Agosto de 1648, quando foram recuperadas para a Coroa Portuguesa por uma expedição armada na Capitania do Rio de Janeiro, no Brasil, por Salvador Correia de Sá e Benevides. Durante o período de ocupação Neerlandesa foi denominado como Fort Aardenburgh. Em 1650 o governador Salvador Correia de Sá e Benevides apresentou ao Conselho Ultramarino os novos planos de fortificação de Luanda, a cargo do engenheiro francês Pedro Pelique, que trouxera do Rio de Janeiro. O forte, que até à invasão holandesa se chamara de São Paulo, teve o seu nome trocado para São Miguel, santo da particular devoção de Salvador Correia de Sá. Sob o governo de, Francisco de Távora (1669-1676), o forte foi reconstruído, em alvenaria, ficando concluídos um baluarte e duas cortinas. Sob o governo de César Meneses (1697-1701) foi erguida, no interior da fortificação, a Casa da Pólvora. A fortaleza de São Miguel tem uma forma muito irregular. O polígono da fortificação de S. Miguel, pode considerar-se inscrito em uma curva fechada oblonga, cujo diâmetro maior é de 340 pés e o menor de 47. O seu perímetro está dividido em 17 frentes de desigual grandeza, formando ângulos salientes e reentrantes, para que as partes mais expostas aos ataques sejam defendidas por aquelas que o estão menos, e só uma abaluartada, segundo o primeiro sistema de Vauban, ou quatro traçado francês, com revelim na frente, cercada de estrada coberta e explanada. As mais frentes não têm fosso, para as aproximar, quanto possível, a encosta do monte. As obras exteriores são o revelim que cobre a porta principal e uma bataria (obra de fortificação com peças assestadas, que podem atirar a barbete ou em canhoneiras. Fileira de peças de artilharia) inferior do lado que olha o N.E.. Esta bataria, tendo servido de fundição de artilharia (em tempo do Capitão General Sousa Coutinho, não está hoje fortificada convenientemente pois que para se construírem os telheiros e forno de reverbero, que ainda existe em bom estado, foi preciso tapar algumas canhoneiras, e alterar as muralhas de revestimento do S.O. e N.O...)

A porta, que dá entrada á fortaleza, fica no meio da cortina, que prende, os dois baluartes, e é aberta na massa do seu reparo, ao lado da qual está o corpo da guarda, que serve de prisão aos galés. Não tem ponte, mas comunica com fosso, por meio de uma rampa de alvenaria, que partindo do ressalto que impede, que a porta seja imediatamente forçada pelo inimigo, e cuja altura é de 56 polegadas; vai terminar um pouco além do meio do fosso. Esta rampa, podia ser substituída por uma de madeira, descansada sobre cavaletes, pela vantagem de se poder destruir, ou retirar, com facilidade.
A largura do fosso defronte das faces, é menor que o dobro da altura da muralha, que reveste o recinto; "(...) Defronte dos salientes, a largura do fosso é menor, a fim de diminuir a frente das contrabaterias do sitiante (contra os flancos). A fortaleza, goza da vantagem de ter árvores plantadas no terrapleno do reparo, e na explanada, sendo para admirar que não as haja, no terrapleno da estrada coberta. As árvores plantadas em tais lugares, consolidam melhor as terras, tornam difícil a construção de aproches, fornecem durante o sítio, madeiras e ramagens para blindagens, revestimentos, plataformas, e outras obras próprias á defensa".
"São Miguel, tem 82 canhoneiras, nas 16 frentes, não abaluartadas. 3 em cada face da frente abaluartada, 2 em cada flanco, e 7 na cortina, ou 23 na totalidade da dita frente, 16 no cavalheiro, 4 no revelim e 6 na bateria inferior, ou 131 por todas. Tem a fortaleza, casa para residência do Governador, que tem patente de Capitão, uma capella de invocação de São Miguel, diversos armazéns e o paiol construído na massa de reparo do lado do N.O., ao qual se desce por uma escada de tijolo, toda arruinada, até ao patamar em que está o guarda-fogo tem 18 pilares de alvenaria, fica ao abrigo dos tiros inimigos. Distante do fogo, e preservado da humidade, porem parece não ter servido, se não de deposito de lenha, principal causa da ruina da escada, tem a fortaleza cozinha, e duas latrinas que estão muito arruinadas (...)".

As principais partes ou designações Fortaleza de S. Miguel, conforma o esquema, são as seguintes:

1. Saída da estrada coberta
2. Contra-escarpa do fosso do revelim
3. Revelim
4. Baluarte
(Obra de fortificação constituindo um saliente numa linha fortificada de que faz parte: Compõe-se de duas faces a dois planos)
5. Cavaleiro
(Construção acasamatada em lugar eminente ou com comandamento)
6. Guarita ou vedeta
7. Estada de circunvalação
8. Porta falsa
9. Canhoneiras
(Abertura nas muralhas para assestar os canhões)
10. Guarita ou vedeta
11. Casa da Pólvora
12. Caminho de ronda
13. Casamata central
14. Cisterna
(Edifício abobadado à prova de bombas)
15. Túnel
16. Merlão
(Porção de espaldão compreendida entre canhoneira a canhoneira)
17. Bateria do cavalheiro
18. Bateria da cortina

Os defeitos que se notarão nas fortificações de São Miguel, não se podem atribuir-se não ao terem sido feitos em diferentes épocas, e reparados e aumentados depois, ao gosto, ou capricho dos Governadores, ou directores das obras. Os baluartes, são pouco espaçosos, e as tropas não podem, neles, manobrar com facilidade, ficando expostos aos projécteis, que o inimigo pode lançar em seus terraplenos. As faces, pela sua posição mais avançada para a campanha; acham-se muito expostos a serem batidas em brecha, pois que o revelim cobre só o angulo de espalda. Os flancos, em virtude das dimensões da frente, batem os fossos; faces, e defendem a cortina com fogos pouco eficazes.
A casa do Governador, é construída entre a cortina, e o Cavaleiro; provê a comunicação entre os dois baluartes, e a cortina; e para que desta se possa tirar a força de resistência de que é susceptível, é necessário destruir a dita casa, em ocasião de combate. Não supomos, que fosse abuso de autoridade a construção desta casa em tal sítio; mas sim (que tenho sido o cavaleiro construído posteriormente, não tratarão de lançar por terra este edifício, o qual devia durar) até hoje em bom estado. O revelim, não tem reduto, e é muito pequeno para poder encerrar uma guarnição, que vigie sobre a segurança da porta, e para retardar com o seu fogo, a marcha do sitiante pelas direcções dos capitéis prolongadas dos baluartes laterais: e fica muito pouco avançado, para impedir - que se abra brecha em todo o comprimento da face, bate-la de revés, e obrigar o inimigo a toma-lo, antes de dar o assalto. O revelim não pode ser guarnecido com a artilheria de grosso calibre, por o não consentir a largura e construção da sua escada; mas só se podem assestar alguns canhões de pequeno calibre, para varrer e estrada coberta, e a explanada. O cavaleiro, protege com os seus fogos (o revelim, estrada coberta, e domina toda a extensão da Cidade, que lhe fica fronteira) sendo o único que tem as canhoneiras bem construídas, em todas as mais frequentes, a intersecção da escarpa interior do parapeito, com os dois planos verticais conduzidos pelas extremidades da aresta interior da soleira, e que tem por objecto cobrir, quanto possível, os artilheiros, bocas-de-fogo e seus reparos, não estão regulares, nem apresentam a indispensável solidez. Os merlões, é, a parte do parapeito compreendida entre as directrizes de duas canhoneiras contiguas, são muito pequenos, para o serviço das bocas de fogo se faça comoda, e regularmente: pois que devendo aquelle intervalo ser de 27 palmos, é apenas, de 19; roubando-se, deste modo, em todas as frentes (o espaço útil de 128 pés ou 192 palmos).
- Provisão real galardoando quem construísse "hum castello" - 12 de Abril de 1574
- Partida de Paulo Dias de Novais de Lisboa - 23 de Outubro de 1574
- Chegada de Paulo Dias de Novais à Ilha de Luanda - 11 de Fevereiro de 1575
- Passagem de Paulo Dias de Novais para Morro de S. Paulo - 30 de Junho de 1576(?)
- Morte de Paulo Dias de Novais - 09 de Maio de 1589(?), Outubro de 1588(?)
- Aparecimento na Costa de Angola de 4 corsários - 1599 a 1600
- Memorial afirmado que Luanda não tem fortaleza ou fortificação - 09 de Julho de 1616
- Aparecimento de corsários holandeses, que foram batidos pelos navios portugueses - 1623
- Entrada no porto de Luanda de corsários holandeses - Outubro de 1624
- Abandono da Ilha de Luanda pelos holandeses - 07 de Dezembro de 1624
- Nomeação real de uma comissão para estudo da fortificação de Luanda - 22 de Agosto de 1625
- Envio para Lisboa do Relatório sobre a fortificação de Luanda - 28 de Dezembro de 1626
- Relatório do sindicante António Bezerra Fajardo solicitando para que no morro de Sam-Paulo se faça um forte - 29 de Fevereiro de 1629
- Manuscrito de Fernão de Sousa (1624 a 1629) mencionando "fiz outro bo Môrro de Sam-Paulo" - 1624 a 1629
- Início da construção da fortaleza no morro de S. Paulo - 1636(?) ou 1638(?)
- Envio de um técnico militar para estudar a fortificação de Luanda - (1639)
- Aparecimento da esquadra holandesa, desembarque e ocupação de Luana - Agosto de 1641
- Desembarque de Salvador Correia de Sá - 15 de Agosto de 1648
- Entrada das forças portuguesas no forte de São Paulo - 24(?) de Agosto de 1648
- Entrada triunfal da imagem de São Miguel no forte de São Paulo que desde então se passou a designar por São Miguel - 24(?) de Agosto de 1648
- Início das construções de alvenaria na fortaleza de São Miguel - 1672(?)
- Conclusão, em alvenaria, de um baluarte e de duas cortinas - 1675(?)
- Conclusão de um segundo baluarte, em taipa e de outras obras - 1685(?)
- Construção da "Casa da Pólvora" - 1700
- Ofício para o Rei informando que a fortaleza estava arruinada a inútil - 10 de Janeiro de 1726
- Ofício para o Rei informando que as Fortalezas de Luanda já estavam reparadas - 27 a de Fevereiro de 1728
- Construção, a cantaria de um segundo baluarte - 1737
- Construção de "hum lanço de cortina e das obras exteriores" - 1738 a 1748
- Construção de "huma praça baixa" - 1753 a 1758
- Elaboração, pelo Sargento-mor Magalhães e Bragança de "um códice" com a planta de todas as fortalezas de Luanda - 1755
- Construção da cisterna - 1766 a 1772
- Construção do "Cavaleiro" - 1768
- Adaptação da "bataria-baixa" a fundição de canhões - 1770 (?)
- Primeira fundição de canhões em Luanda - 1771
- Transferência dos armazéns da "Casa da Pólvora" e adaptação do edifício a prisão - 1760 a 1770
- Envio ao Rei de uma planta da Fortaleza - 25 de Novembro de 1768
- Terraplanagem da esplanada - 1795(?)
- Envio para Lisboa de uma planta das Fortaleza - Dezembro de 1799

https://sites.google.com/site/azulejosdafortalezadeluanda/
A Fortaleza de São Miguel de Luanda é uma fortificação edificada no ano de 1634 com o objectivo de defesa da cidade. Com o decorrer dos tempos, os interesses, objectivos e fins da fortaleza alteraram-se e nos finais dos anos 30 do séc. XX foram realizados importantes obras para ser adaptada a museu - museu da história -. A parte das obras mais relevantes e que melhor acolhimento teve, pelo seu elevado valor artístico, foi o revestimento das paredes interiores da casamata com painéis de azulejos, do estilo da azulejaria portuguesa do séc. XVII, com a singular beleza dos azuis cobalto.
Restauros feitos pelo Atelier Escola Antiga de João Moreira, de Turquel - Portugal
Restauros dos Azulejos na Fortaleza de Luanda 


Fortaleza S.Pedro da Barra

por Pedro Cardoso:

 http://www.redeangola.info/roteiros/forte-de-sao-pedro-da-barra/

Lá para as bandas do Ngola Kiluanji, o Forte de São Pedro da Barra é memória à espera. Um compasso mais de um lugar inicialmente escavado na falésia, e de uma beleza única em Angola. E há tanta história ali encerrada, que o esquecimento deste monumento doeria seguramente muito mais que qualquer golpe de canhão dos antigos piratas.
Há lugares da nossa Luanda que, ciclicamente, se arriscam a virar pó. Autênticas enciclopédias da história de todos nós, foram abandonados durante longos períodos à sua sorte e à salitre. Visitá-los pode bem ser o início da uma nova vida. Este roteiro é, pois, ao seu jeito e dimensão, uma missão de resgate. Não de pedras, que começaram já a ser alinhadas, mas de memória.
Salvemos então o Forte da São Pedro da Barra. Esquecido por muitos até há pouco tempo, antes de um projecto de revitalização o ter sacudido de alto a baixo, este lugar foi um ponto estratégico da defesa dos mares de Luanda, em conjunto com a Fortaleza de São Miguel, o desaparecido Forte de Nossa Senhora de Conceição e o Forte de Nossa Senhora da Flor da Rosa – nome romântico para um romântico final. Esta “fortificação floral” erguia-se na antiga ponta da ilha de Luanda, antes de metade desta língua de areia desaparecer por força das calemas, arrastando consigo, para o fundo do mar, o Forte de Nossa Senhora da Flor da Rosa. Hoje, esta estrutura militar que cruzava fogo com o Forte de São Pedro da Barra jaz, provavelmente feita pedaços, no fundo da baía de Luanda. Um tesouro intacto para a arqueologia subaquática, tão na moda hoje em dia, em todo o mundo.
Mas o Forte de São Pedro da Barra, dizíamos, é lugar importante da bateria de defesa de Luanda. Começou a ser escavado na rocha do antigo morro de Kassandama por prisioneiros da Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais, durante a ocupação holandesa. Corriam os anos 40 do século XVII.
Ao recuperarem o controlo do território, os portugueses abandonaram o lugar até que, em 1663, foi de novo tido e achado pelas autoridades militares, que o restauraram. Quarenta anos depois, em 1703, foi ampliado, e ganhou uma bateria superior e as muralhas de pedra e cal que ainda hoje vão resistindo como podem.
A fortificação estava, então, rodeada por duas colinas repletas de cajueiros e pastagens. Ao lado, os jesuítas construíram um hospício para indigentes, criminosos, degredados e “hereges” suspeitos de feitiçaria. Abriram também a chamada Fonte de Kassandama, que aproveitava um manancial de águas termais óptimas para curar doenças de todo o tipo e feitio. A meados do século XIX, depois de obras importantes de canalização das águas sulfurosas para abastecer o complexo de fortificações e o hospício, a fonte foi vendida por “100 mil reis” a um comerciante de Luanda, conhecido por “Magalhães”.
Entre 1703 e os primeiros anos do século XX, o Forte de São Pedro da Barra cravou na palma da sua mão uma sina eterna – tipo feitiço – que ainda hoje persiste, e que alterna ruína e renascimento. Cumprindo este destino, em 1920 a estrutura foi, uma vez mais, restaurada. A 9 de Setembro de 1932, já sem piratas no horizonte, foi elevada a Monumento Nacional.
Mas a história estava muito longe de terminar. A repressão colonial pós-4 de Fevereiro enviou directamente para as masmorras do Forte da Barra 112 revoltosos. O forte foi, então, transformado em centro de prisão e tortura. História idêntica ocorreu entre 1974 e 1975, quando São Pedro da Barra foi ocupado por forças ligadas à FNLA.
O futuro deste monumento nacional, na rota entre Luanda e Cacuaco, em pleno município de Sambizanga, contempla a sua transformação num museu. Ajeitadas as pedras, o velhinho edifício espera um novo apogeu prometido nos últimos anos pelas autoridades que o regem. Entretanto, com a ilha de Luanda no horizonte, aponta baterias para o mar e para terra, visão privilegiada deste país que ajudou a forjar.

Fortaleza do Penedo
OForte de São Francisco do Penedo”, também referido como "Fortaleza do Penedo", localiza-se na cidade e província de Luanda, em Angola.
No contexto da Dinastia Filipina (1580-1640), por determinação de Filipe IV de Espanha (1621-1640) foi criada uma comissão para estudar a melhoria da defesa da cidade de São Paulo de Assunção de Luanda, de onde se exercia um activo tráfico de escravos em direcção ao continente Americano. Uma das fortificações propostas foi o Forte de São Francisco do Penedo.
Desde a sua primitiva edificação, constituiu-se em uma das chaves da defesa do porto de Luanda.
Embora se desconheça a sua data de edificação, em 1684 o então Governador e Capitão-General, Luís Lobo da Silva (1684-1688), “mandou que fosse reedificada, sendo então artilhada com seis peças.
Sob a gestão do Governador e Capitão-General Francisco Inocêncio de Sousa Coutinho (1764-1772) foi reparada e ampliada entre 1765 e 1766, tendo servido como depósito de escravos.
Ainda no mesmo século, o Governador e Capitão-General Manuel de Almeida de Vasconcelos e Soveral, 1.º conde da Lapa (1790-1797) mandou ampliar a fortificação, dando-lhe a forma actual. Data deste momento a construção do Portão de Armas em cantaria de pedra, encimado pelas armas reais, tendo à direita as de Sousa Coutinho, e à esquerda as de Vasconcelos e Soveral. Ao centro dos três brasões uma inscrição epigráfica reza em Latim:
"Tempus et tunda vorax, istam quam cernitis arcem jam prope colapsam sustinuere duo: Sousa et Almeida primi debentur honores fulget nunc, hostis tempus e tunda tremunt – 1793" (em versão livre, “O tempo, e a onda voraz, conservarão esta fortaleza, que vedes já quase demolida; a Sousa e Almeida se devem as primeiras honras; agora brilha, o tempo e a onda hostis tremem – 1793")
Em seu interior, diante da entrada do pórtico, na muralha da bateria superior, encontra-se uma outra inscrição epigráfica, de 1795, onde lê-se em verso:
Este forte que vês foi levantado / Por Sousa ilustre, na memória eterno. / E pelo grande Almeida, consumado / no quinto ano do seu feliz governo”.
Na sua enfermaria esteve internado José Álvares Maciel, um dos implicados na Inconfidência Mineira no Brasil (1789), condenado à pena de desterro, ao chegar a Luanda em 1792 com pneumonia e escorbuto, antes de ser encaminhado ao Forte de Massangano, no interior.
Em 1820 passou a ter a incumbência de registo (contagem) dos navios que davam entrada no porto.
Em meados do século foi inspeccionada pelo engenheiro militar, então major (depois general) Francisco Xavier Lopes, que em seu relatório, em 1846, refere que as suas muralhas "estavam muito bem conservadas", contando com “47 peças de artilharia, das quais seis de bronze, montadas em reparos de sítio e de praça, e de marinha, em mau estado".
Como guarnição, e devido ao mau estado das peças, apenas existia um cabo e três soldados de artilharia; o destacamento de infantaria contava apenas um oficial, um sargento, três cabos, um tambor e 32 soldados. O major recomendou ao então Governador da Província de Angola, Pedro Alexandrino da Cunha (1845-1848), que nela fossem instaladas 60 bocas-de-fogo e 3 morteiros, e que passasse a ser guarnecida por 120 artilheiros e 250 infantes num efectivo total de 370 homens. Ainda com relação à artilharia, recomendou a instalação de “canhões Paixhans de calibre 24 por quanto atirando horizontalmente com projécteis ocos, ainda que o tiro seja menos certo, basta que uma ou duas bombas acertem, para tirar a força moral à guarnição do navio”. (Op. cit.)
Tendo recebido a chamada Casa de Reclusão Militar, no século XX estas dependências foram utilizadas como prisão política pelo Estado Novo Português (1933-1974). Esta prisão constituiu-se em um dos alvos dos guerrilheiros que, em 4 de fevereiro de 1961, desencadearam a luta armada pela libertação de Angola (os demais foram o barracão de zinco onde operava a Emissora Oficial de Angola, ao lado dos Correios da Cuca, a cadeia de São Paulo e o quartel da Polícia Móvel na Estrada de Catete). Desse modo, no contexto da chamada Guerra do Ultramar (1961-1974), após 1961 passou a ser utilizada exclusivamente como prisão militar. 
Após a Revolução dos Cravos em Portugal (25 de Abril de 1974), as funções prisionais persistiram, aqui tendo estado detido, por determinação do Movimento das Forças Armadas (MFA), por exemplo, João Fernandes, então director da revista “Notícia”.
Após a independência do país (11 de Novembro de 1975) manteve essas funções, aqui tendo estado detidos pelo regime de Portugal, António Agostinho Neto, o primeiro presidente de Angola  em funções de 1975 a 1979. 
Segundo relatos verídicos, vários  cidadãos angolanos  e  também outras centenas de  pessoas sem  culpa formada, foram ali  torturados  e posteriormente executados na intentona de 27 de Maio de 1977, pelo regime do partido único o "MPLA".
A "Fortaleza de São Francisco do Penedo, também conhecida como "Casa de Reclusão Militar" encontra-se classificada como Património Histórico-Cultural Nacional desde 1992, pela então Secretaria de Estado da Cultura de Angola.
Nos termos do Despacho Presidencial n.º 130/17, de 12 de  unho, a construtora Mota-Engil Angola executará as obras de restauro e apetrechamento do monumento, num montante em kwanzas equivalente a trinta e sete milhões, setecentos e oitenta e cinco mil dólares. A Dar Angola Consultoria responderá pela fiscalização da empreitada, no montante em kwanzas equivalente a um milhão, oitocentos e oitenta e nove mil e duzentos e cinquenta dólares. ("Restauro da Fortaleza São Francisco de Penedo 'retira' mais de 37 milhões de dólares aos cofres do Estado". Portal de Angola, disponível em: http://www.portaldeangola.com/2017/06/restauro-da-fortaleza-sao-francisco-de-penedo-retira-dos-cofres-do-estado-mais-de-37-milhoes-de-dolares/ Consultado em 16 jun2017.)

Características

Exemplar de arquitectura militar, abaluartado, marítimo, de enquadramento urbano, em cima de um rochedo, nas imediações da praia da Rotunda.
Apresenta planta na forma de um pentágono irregular, com duas baterias. Na inferior abriam-se 37 canhoneiras, e na superior, designada por “barbete”, mais 23.
O Relatório do major Xavier Lopes, em 1846 dava conta de que "(...) toda a defesa desta fortaleza é para o lado do mar, defendendo o ancoradouro e servindo de registo dos barcos que entram no porto de Luanda. Para o lado de terra há quatro peças que batem a ponte e quatro seteiras para fuzilar os que se dirigirem à porta, situada no meio do lado, que deita para SSO que olha para a estrada”. (Op. cit.)
As duas baterias eram acedidas por uma rampa com “seis pés e três polegadas de largura, 70 polegadas de comprimento”, e uma escada ligava as duas baterias para facilitar as movimentações da infantaria. O major prossegue, observando que a bateria superior da Fortaleza de S. Francisco do Penedo “goza das vantagens das baterias de costa”. As balas dos canhões eram disparadas sob um ângulo de quatro a cinco graus e podiam atingir os navios inimigos “a cem toesas de distância”. (Op. cit.)
A bateria inferior tinha uma casamata à prova de bomba, e nesta zona erguiam-se os paióis, armazéns, casa do comando, quarteis de tropa, calabouços, uma ermida sob a invocação de São Francisco, e a cisterna, com capacidade para fornecer água à guarnição durante um mês e meio
Ao lado da fortificação erguia-se um anexo fortificado sob a invocação de Nossa Senhora das Necessidades, utilizado como armazém da pólvora. Xavier Lopes regista no seu relatório que “(...) toda a pólvora da colónia de Angola era aqui guardada”, não apenas aquela destinada a fins militares, mas também a que os comerciantes importavam para negociar, sobretudo no “paiz dos Dembos” e no Congo.
Estes particulares pagavam uma quantia mensal ao governador, a saber, “cinco reis por cada arrátel de pólvora que sai para o sertão o que monta mensalmente em 20 a 25 mil réis”. O major dá conta ainda que também existia um grande armazém fora das muralhas onde era guardado o “carvão de pedra para os cruzadores ingleses”, obra do então Prefeito Domingos de Saldanha Oliveira e Daun (1836), concluída na gestão do Governador-Geral Manuel Bernardo Vidal (1837-1837). Em virtude das relações entre Portugal e o Reino Unido serem tensas à época por causa do combate ao tráfico negreiro no oceano Atlântico abaixo do Equador, e de reivindicações territoriais na costa africana, faz um interessante comentário no seu relatório: “(...) só a política pode explicar o modo por que se consentiu um tal estabelecimento”.

Igreja da Nazaré
Igreja da Nazaré, Luanda
painel igreja da Nazaré, Luanda



Igreja Nossa Senhora da Ilha do Cabo
 
Igreja da Nossa Senhora do Cabo, Ilha de Luanda
É um dos maiores símbolos da cultura do povo da Ilha, representa um grande património de interesse público.
A igreja de Nossa Senhora do Cabo ou Igreja de Nossa Senhora da Imaculada Conceição  foi edificada no mesmo local onde houve uma igreja construída por comerciantes Portugueses que chegaram à Ilha e ao Kuanza antes de Paulo Dias de Novais, portanto antes de 1575.
Em 1854 foi elevada a paroquial das ilhas adjacentes. Não obstante ter, poucos anos volvidos encontrava-se em completa ruína, tendo sido reconstruída em 1870.
Actualmente a igreja é rodeada pelo musseque dos pescadores Muxiluanda e por eles quase exclusivamente frequentados.
É a igreja é uma das mais antiga de Angola, mandada construir em 1575 pelos portugueses, aquando do desembarque do  Capitão-mor Paulo Dias de Novais na ilha,  com homens de armas, padres, mercadores e servidores, ali se fixaram e consagrados a Nossa Senhora, deram ao templo a designação de  igreja de Nossa Senhora  do Cabo.
O Papa João Paulo II, numa sua visita a Angola entrou e rezou neste templo.
A diáspora dos filhos de Mondim de Basto fez história desde há muito tempo.
Por volta de 1648, um filho de Mondim, "Frei Belchior da Conceição" depois de ter estudado teologia em Lamego e Coimbra, embarcou com destino a Angola, para combater ao lado das tropas de Salvador Correia de Sá e Benevides.
Muito jovem, este sacerdote participou na reconquista do território angolano aos Holandeses, sendo depois o principal obreiro da reconstrução da Igreja Nossa Senhora do Cabo, cujo nome foi depois mudado para " Igreja de Nossa Senhora da Imaculada Conceição".
Este nosso conterrâneo nasceu na casa dos Azevedos, da rua Velha, junto ao antigo edifício dos Bombeiros Voluntários.
Morreu em Angola em 1660, é tudo quanto se sabe; está sepultado junto ao altar-mor da igreja que ajudou a reconstruir.
Teixeira da Silva

Igreja Sagrada Família, do Carmo  


Muxima

A peregrinação anual à Mamã de todos nós está a ponto de começar.

Por Pedro Cardoso.
Rezas, murmúrios, velas e fé começam a agitar, tipo brisa leve, as águas do Kwanza. Lá naquela margem, onde se ergue – branca, simples, forte – a capela de Nossa Senhora da Muxima, a emoção ganha forma. A peregrinação anual à Mamã de todos nós, no próximo fim-de-semana.
“Mamã Muxima” rogai por nós! Mãe de todos nós, rogai por nós!”
Fé não se discute. Mas há um lugar em Angola que mexe com todos nós, crentes ou não. No coração do município da Kissama, o Santuário de Nossa Senhora da Muxima reúne muito do que é o sentimento de pertencer a este país. Muxima protege-nos; Muxima é nossa mãe; como todos nós, Muxima refresca a cara com água do grande rio. Não há quem não se emocione ao entoar a canção-hino que a celebra e que nos faz arrepiar a pele.
Neste lugar aparentemente simples – uma capela e uma pequena fortaleza branca em cima de um morro -, o Kwanza faz uma curva pronunciada, arrastando diferentes forças. Em casamento sincrético, naquela paisagem verde- exuberante se celebram a fé católica e rituais de tempos antigos. Uma mistura não declarada de Avé  Marias e de murmúrios do rio, de histórias de jacarés e do doce cheiro da terra ancestral, de mistérios de noite e da luz do dia.
A própria criação do santuário pisa esta fronteira ténue entre mito e realidade. Sem muitas certezas, os historiadores estimam que a capela foi fundada em 1599. Em cochicho de lendas de madrugadas, há quem diga que a capela nasceu do dia para a noite. Os portugueses dedicaram-na a Nossa Senhora da Conceição. O nome Muxima (“coração”, em kimbundu), surgiria depois, com a devoção das gentes da terra.
Em 1647, a pequena vila que ali cresceu foi incendiada e tomada pelos holandeses, que se apoderaram da imagem de Nossa Senhora. Um ano depois, com a tomada de Luanda por Salvador Correia, a Virgem voltou à Muxima, onde permanece até hoje, velando por todos nós. A peregrinação, que atrai gente de todo o país e do estrangeiro, remonta a 1833. Foi ganhando importância em tamanho e significado ao longo dos séculos seguintes. Hoje, é um dos eventos massivos mais impressionantes de Angola. As autoridades eclesiásticas estimam que no próximo fim-de-semana possam chegar ao santuário mais de um milhão de peregrinos.
Com o coração em uníssono, os fiéis criam um ambiente fervoroso nesta peregrinação que não dorme. 24 horas por dia, a vibração é intensa. No mesmo espaço, juntam-se muitas crenças, muitas dores a ser curadas e inúmeros milagres pessoais a ser celebrados. Há risos e prantos; há braços levantados e corpos prostrados, joelhos no chão. Amálgama de gente, corpos, suor, lágrimas. Muxima é uma esponja emocional. O cheiro a velas queimadas e a flores, as cores dos panos que vestem as Mamãs e a humidade que emana do rio em transição de cacimbo reúnem-se numa sinestesia intensa. É difícil não sentir algo especial neste lugar.
Durante a peregrinação, o espaço exíguo entre o morro e o rio enche-se de vida. Vêem-se centenas de tendas de campismo e inúmeras barraquinhas de comida de todo o tipo. Mas é à noite que o espaço se enche de uma magia especial. A procissão de velas é impressionante. Lentamente, milhares de peregrinos seguem o passo sincopado do andor que leva a Mamã Muxima pelas ruas da pequena vila. É a fé na sua expressão máxima. Descrever esse momento, é profaná-lo.
Este ano, a peregrinação terá como lema “Enraizados em Cristo, Caminhemos com Maria”. Presidirá às cerimónias o Bispo da diocese de Viana, Dom Joaquim Ferreira Lopes. Estão mobilizados cerca de 1700 voluntários, entre coristas, cozinheiros e protocolo.
Tudo está a postos para esta celebração de misticismo e fervor. Vá em paz, e que a Mamã Muxima o acompanhe.
Como ir
A forma mais fácil de chegar à Muxima a partir de Luanda é ir em direcção a Cabo Ledo, e seguir a indicação para a sede do município da Kissama, no corte à esquerda. Este ano, a organização oferece várias opções aos peregrinos que não têm viatura própria:
Autocarros a partir de vários pontos de Luanda e a partir de Cabo Ledo, com direcção à Muxima, ao preço de 400 kwanzas;
Viagens especiais de comboio do Bungo a Catete. Em Catete, haverá ligação de autocarro até ao santuário, também por Kz 400.
 Onde comer
Durante a peregrinação são muitas as opções nas muitas barraquinhas que se montam no recinto do santuário. No entanto, se quiser algo mais “formal”, tem a opção do Complexo Muxima.
"Mamã Muxima" regressa ao seu santuário

20 Outubro 2014
A imagem da "Mamã Muxima" foi recolocada no santuário católico com o mesmo nome, a 130 quilómetros de Luanda, um ano depois de ter sido vandalizada por elementos de uma seita.
A informação foi confirmada por fonte eclesiástica, dando conta que o acto assinalando o regresso da imagem "foi simples" no dias  dedicados à Nossa Senhora da Muxima,  como padroeira de Angola.
A vandalização daquela imagem, em madeira, aconteceu a 27 de Outubro de 2013, perpetrada por elementos pertencentes a uma seita e que foram detidos de imediato por populares e polícia. 
O ataque,  provocou danos na imagem, que esteve em restauro.
O regresso da imagem ao templo de Muxima - considerado o maior centro mariano da África subsaariana - coincidirá com a segunda reunião plenária de 2014 dos bispos da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé e Príncipe (CEAST), a realizar em Luanda até 27 de Outubro.
Localizada na província do Bengo, a vila de Muxima - que na língua nacional quimbundo significa "coração" - foi edificada pelos portugueses em 1589 que, dez anos depois, ali construíram uma fortaleza e a igreja de Nossa Senhora da Conceição, também conhecida como "Mamã Muxima". 
O santuário, segundo a Igreja Católica angolana, tornou-se local de "devoção espiritual que tem passado de geração em geração", sendo o "maior espaço de devoção popular em Angola e em toda a África Cristã", com os peregrinos a chegarem por via terrestre e fluvial.
Segundo reza a história, Nossa Senhora apareceu por duas vezes naquele local.
A última peregrinação anual a Muxima realizou-se entre 06 e 07 de Setembro último, sem a presença da imagem.
Apesar de a "Mamã Muxima" ser considerada pelo povo como padroeira de Angola, a CEAST ainda não declarou em decreto esta aclamação.
Em kimbundo, “Muxima” significa coração.
Na Internet alguma informação mais detalhada sobre este local aqui se reproduz alguns textos:
“Nossa Senhora da Conceição da Muxima, também conhecida como Nossa Senhora da Muxima ou Mamã Muxima é uma devoção mariana de Angola.
Suas origens remontam a construção da Igreja de Nossa Senhora da Conceição na localidade conhecida como Muxima, na actual província de Bengo, em 1599.
O santuário logo se converteu num importante centro de cristianização, sendo o lugar onde se baptizavam os africanos antes de embarcá-los como escravos para diversas localidades, mas em especial para as Américas.”
“Tornou-se, igualmente, um importante espaço vocacional para as populações cristãs autóctones, que logo atribuíram à Senhora da Muxima a realização de diversos milagres.
Os rumores de realização de prodígios logo se espalharam pelas regiões circunvizinhas, levando à organização de actos de piedade popular, quer baseados na tradição portuguesa, quer totalmente inovadoras ou reminiscentes de antigas religiões africanas.
A mais importante dessas tradições, a Romaria de Nossa Senhora da Conceição da Muxima, remonta ao ano de 1833, atraindo milhares de peregrinos todos os anos, em fins de Agosto e início de Setembro.
A devoção inspirou vários escritores angolanos, como Pepetela, que discorre sobre as tradições associadas à Mamã Muxima na obra “ A Sul O Sombreiro.” 
Subi à fortaleza para melhor poder apreciar a igreja e o adro e a vista é magnífica
Sobre à fortaleza e sobre a sua história encontra-se este relato:
“A ocupação do local por forças portuguesas remonta ao estabelecimento, em 1581, de um pequeno posto militar à margem esquerda do rio Kwanza, pelo então governador de Angola, Paulo Dias de Novais.
Mais tarde, este posto veio a tornar-se num presídio (estabelecimento de colonização militar), com a função de defesa diante dos povos de Quiçama.
Em 1599, para defesa do presídio, o governador João Furtado de Mendonça determina a construção de uma nova fortificação.
Nesta época, o presídio oferecia suporte às relações comerciais na região, servindo como activo entreposto de mercadorias e de escravos aguardando transporte para o continente Americano. As obras só foram iniciadas, entretanto, no início do século seguinte.
No contexto da invasão holandesa de Angola, em 1641 os presídios no rio Kwanza constituíram-se em uma linha de resistência dos colonos portugueses ao invasor.
Desse modo, em 1646 Muxima foi atacada por forças holandesas, tendo a população se refugiado na fortaleza.
Foi reedificada em 1655, conforme inscrito na pedra de armas, sendo capitão Francisco de Novais.
Até meados do século XIX o presídio e a sua guarnição foram governados por um Capitão-mor.
Vizinha à Igreja de Nossa Senhora da Muxima, encontrava-se em ruínas em precário estado de conservação, tendo sido recuperada por volta de 2008.”
Do alto da fortaleza a vista sobre o Kwanza é esta:
Descendo e indo até à margem do Kwanza, o cenário é inesquecível.


Forte do Massangano
“O “Forte de Nossa Senhora da Vitória de Massangano”, popularmente referido como “Forte de Massangano” ou “Fortaleza de Massangano”, localiza-se na confluência do rio Lucala com o rio Kwanza, na povoação de Massangano, no município de Cambambe, na província de Kwanza-Norte, em Angola.
O rio Kwanza foi a principal via de penetração portuguesa para o interior do território.
Nas suas margens foram construídos os grandes presídios angolanos, tendo sido neles que de afirmou o domínio Português quando os Holandeses dominaram o litoral no século XVII. Dotados de guarnições militares, constituíam as circunscrições administrativas fundamentais do território, sendo chefiados por capitães-mores nomeados pela Coroa ou por regentes, designados pelo Governador-geral.
A partir deles desenvolveu-se a penetração comercial, religiosa e política no território, deles partiam as expedições militares e neles buscavam refúgio os colonos em caso de maior perigo.
Neste local travou-se, em 1580, a Batalha de Massangano, na qual as forças portuguesas derrotaram as do rei Kiluange de Ngola.
Posteriormente, em 1582, as forças portuguesas, sob o comando do governador e capitão-mor de Angola, Paulo Dias de Novais (1575-1589), foram repelidos pelos Ngola, quando tentavam penetrar na região, em busca das lendárias minas de prata de Cambambe.
Esta fortificação foi erguida pelo próprio Novais (ou por Manuel Cerveira Pereira, segundo outros autores), às margens do rio Kwanza, em 1583, com a função de defesa do presídio (estabelecimento de colonização militar) que assegurava a ocupação portuguesa na região, alargando-a.
Além de marcar a presença militar portuguesa, esse estabelecimento garantia a integridade das redes comerciais, incluindo a de tráfico de escravos para o continente americano.
Data deste mesmo período a construção da Igreja de Nossa Senhora da Vitória.
No contexto da Dinastia Filipina (1580-1640), ao final do século XVI era o único forte em Angola em mãos luso-espanholas, conforme o relatório do pernambucano Domingos de Abreu e Brito ao soberano.
Posteriormente, em 1640, as forças da rainha Nzinga atacaram o Forte de Massangano, ocasião em que as suas duas irmãs, Cambu e Fungi, foram aprisionadas, sendo esta última executada.
Diante da ocupação de Luanda pelas forças da Companhia Holandesa das Índias Ocidentais, em agosto de 1641, foi a Massangano que as forças portuguesas sob o comando do então Governador Pedro César de Meneses se recolheram, e onde resistiram até à reconquista, por Salvador Correia de Sá e Benevides, em agosto de 1648.
Até meados do século XIX o presídio e a sua guarnição foram governados por um capitão-mor.
Mas a estrutura melhor preservada continua a ser a pequena Igreja de Nossa Senhora da Victória de Massangano, lugar de peregrinação a cada segundo domingo de Agosto.
Num pequeno largo com frondosas acácias, o templo foi mandado erigir no século XVI por Paulo Dias de Novais, fundador de Luanda, e que morreu em Massangano, em Maio de 1589.
O túmulo onde foi sepultado, em frente à igreja, ainda hoje pode ser visitado, embora os seus restos mortais tenham sido transladados posteriormente para a capital angolana.“
Comparando uma imagem antiga com a realidade actual, pode ver-se que a igreja está restaurada e mostra todo o seu esplendor.
O "Forte de Nossa Senhora da Vitória de Massangano", popularmente referido como "Forte de Massangano" ou "Fortaleza de Massangano", localiza-se na confluência do rio Lucala com o rio Cuanza, na povoação de Massangano, no município de Cambambe, na província de Cuanza-Norte, em Angola.
O rio Cuanza foi a principal via de penetração portuguesa para o interior do território. Às suas margens, Ambaca, Cambambe, Massangano, Muxima e Pungo Andongo foram os grandes presídios angolanos: foi neles que de afirmou o domínio Português quando os Neerlandeses dominaram o litoral no século XVII. Dotados de guarnições militares, constituíam as circunscrições administrativas fundamentais do território, sendo chefiados por capitães-mores nomeados pela Coroa ou por regentes, designados pelo Governador-geral. A partir deles desenvolveu-se a penetração comercial, religiosa e política no território; deles partiam as expedições militares e neles buscavam refúgio os colonos em caso de maior perigo. ("Presídios de Angola", in SERRÃO, Joel (dir.). "Dicionário de História de Portugal (4 vols.)". Lisboa: Iniciativas Editoriais, 1971. Vol. III, p. 474-475.)

 
Características

O forte apresenta planta quadrada, sem baluartes nos vértices. Em seus muros rasgam-se dez canhoneiras. É acedido por um túnel abobadado a partir do portão de armas, pelo lado voltado para terra. Em seu terra-plano erguem-se as edificações de serviço: Casa do Comando e Quartel de Tropa.

Fortaleza de Cambambe

A Fortaleza de Cambambe está situada vila do mesmo nome, na margem direita do Rio Kuanza, em Angola. A primeira fortificação foi construída em 1604, para apoio do comércio e do tráfico de escravos. Foi ampliada em 1691 pelo Governador D. João de Lencastre ( conforme placa colocada sobre o portão da entrada). Foi também presidio até finais do séc. XIX. Em 1925 foi declarada Monumento Nacional. Hoje está na posse do Estado Angolano, afecta ao Ministério da Cultura e encontra-se em ruínas.

Forte  do Ambriz

Arquitectura Militar
Ambriz, Angola
Arquitectura militar
Destacamse a Fortaleza do Loge, construída em 17901791, parcialmente demolida em 1792 sob pressão dos ingleses e restaurada em 1869; classificada como monumento em 8 de Julho de 1922, o Forte do Ambriz, erguido em 1855 no extremo da vila, com grossas paredes em adobe, no interior do qual estava instalado o paiol.
Município do Ambriz
Fortaleza do Ambriz, século XVIII, assegurou durante muito tempo o negócio clandestino de escravos. Classificados por despacho n.º 42/92, de 8 de Julho.
Casa dos Escravos, século XVII e XVIII, o edifício serviu de paiol e no século XVIII reconstruído servindo de casa de trânsito dos escravos. Classificada por despacho n.º 46/93, de 10 de Novembro .
Antiga Câmara Municipal, séculos XIX e XX, classificada por despacho n.º 26/95, de 18 de Abril
Igreja de São Jorge, construída em 1858 e classificada por despacho n.º 14/97, de 18 de Abril.
Zona Histórica do Ambriz, é o núcleo urbano da antiga Vila do Ambriz. Classificada por despacho n.º 14/97, de 18 de Abril.
 
Igreja de Lândana - Cabinda
Igreja Nª Srª do Monte Caála, Angola

Esta capela foi construída em 1924, no alto dum monte (Benguela), na Caála ( ex Robert Williams).
No seu perímetro tem uma via sacra , em painéis de azulejo.
Foi destruída durante a guerra civil, depois foi restaurada e reinaugurada em finais de 2008.
O bispado do Huambo pretende transformá-la esta igreja em Santuário Nacional, dedicado ao Imaculado Coração de Maria.

Forte de Quibala - Cuanza Sul - Angola.

A colonização do território que hoje é a república de Angola foi feita muito lentamente, levou quatro séculos: desde o início do séc. XVI até ao início do séc. XX. As primeiras construções militares foram feitas junto à costa, mas no final do séc. XVI avançou-se para o interior, através do rio Cuanza, em cujas margens se ergueram os fortes de Muxima (1581/1599) de Massangano (1583) e de Kambambe (1604).
Em 1682 foi também construído o forte de Caconda na Huíla, já no interior.
Após a perda do Brasil em 1822, a partir de meados do séc. XIX começou a ocupação do interior de Angola, originando a construção de diversos fortes, entre eles o da Quibala, no Cuanza Norte.
Foi construído no final desse século, sobre um afloramento granítico e serviu de aquartelamento militar até final da "guerra do ultramar", em 1974.
Em 2007, o forte estava abandonado e a saque, mas em 2012 já tinha um vigilantee algum capim tinha sido cortado.

As autoridades já perceberam que estas construções fazem parte da história do país, é seu património, por isso é de seu interesse, e de todos, que sejam preservadas.




O Forte de Quicombo


O Forte de Quicombo situa-se na baia do mesmo nome, no município de Sumbe ( ex Novo Redondo), na provincia de Kwansa Sul. Foi erguido em 1645, por Francisco de Souto-Maior, no período da reconquista de Angola aos Flamengos. Foi restaurado por Salvador Correia de Sá e Benevides, em 1648, que daqui partiu para a tomada de Luanda. O forte está ligado ao trafico de escravos e á luta contra a ocupação Portuguesa. Hoje só resta um baluarte , em condições relativamente boas.


Forte de São Sebastião - Egipto Praia - Benguela - Angola.

Mapa de Angola, com o reino de Benguela, onde está assinalado o forte de Egipto.
De notar que, por cima de Novo Redondo (Sumbe), ainda aparece Porto Amboim com o nome de Benguela Velha.
O Forte de São Sebastião do Egipto localiza-se na margem esquerda do Rio Balombo, junto da foz deste rio, próximo da aldeia de Santa Teresa,90 Km a norte da Cidade de Lobito, na província de Benguela. A sua construção terá ocorrido em meados do sec. XIX, durante um dos sete magistérios de Bernardo de Sá Nogueira e Figueiredo, mais tarde Marquês de Sá da Bandeira, como ministro do Ultramar e destinava-se a apoiar os navios ingleses no combate á escravatura. Em 2014, a zona esteve inscrita para as sete Maravilhas Naturais de Angola. O governo de Angola está ponderar solicitar a classificação do forte como Património Mundial, devido á sua ligação ao combate á escravatura.
Património Português no Mundo Comunidade
https://www.facebook.com/pages/Patrim%C3%B3nio-Portugu%C3%AAs-no-Mundo/164801093535396

Sem comentários:

Enviar um comentário