segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

" Bandeiras pessoais de Cristóvão Colon"


Por: Manuel Luciano da Silva, Médico


Há em Portugal 74 famílias brasonadas, cada uma tem o seu brasão específico a sua própria bandeira com os seus símbolos característicos. Conheço muito bem o Brasão do Navegador Cristóvão Colon (Colombo).

Será que o Cristóvão Colon teria alguma bandeira própria? Descobri que o Navegador usou duas

Bandeiras Verdes Pessoais em estandartes nas caravelas.

Como é que poderia encontrar um documento coevo, que desse a referência verdadeira sobre essas Bandeiras Verdes?

Depois de muito procurar, por muita sorte, encontrei uma referência extraordinária.

O Diário de Bordo da primeira viagem que o Navegador fez, dá- nos a descrição do desembarque na Ilha de São Salvador, no dia 12 de Outubro de1492.

Cristóvão Colon relata-nos o episódio.

As suas próprias palavras em espanhol no Diário de Bordo:

Y el Almirante salió a tierra en la barca armada, y Martín Alonso Pinzon y Vicente Anes su hermano, que era capitán de la Niña. Saco el Amirante la bandera real y los capitanes con dos banderas de lacruz verde, que llevava el Almirante en todos los navios por seña, comuna F y una Y; encima de cada letra su corona, una de un cabo de lacruz e outra de outro”.

Tradução em Português:

E o Almirante desembarcou numa barca armada e Martin Alonso Pizon e Vicente Anes, seu irmão, que era o capitão da caravela Niña. O Almirante exibiu a Bandeira Real e os capitães eriçaram os estandartes com as duas Bandeiras Verdes que o Almirante levava em todos os navios como suas insígnias, com a letra F e com a letra Y; em cima de cada letra havia uma coroa, uma dum lado da cruz e aoutra do outro lado da cruz.”

Eis as duas Bandeiras Verdes Pessoais do Cristóvão Colon:

(1) Que tipo de Cruzes são estas Cruzes?

(2) Qual é a análise das letras nos lados de ambas as cruzes?

(3) Quais são os significados das letras F e Y?Antes de respondermos a estas perguntas temos primeiro que fazer uma revisão das Cruzes que existiam em Espanha e Portugal na época dos Descobrimentos.

Vários tipos de Cruzes em Espanha

Depois de examinarmos a Enciclopédia Espanhola sobre Cruzes e 50 páginas na Internet usando o título de Cruzes Espanholas, NÃO encontramos NENHUMAS Cruzes Espanholas que fossem semelhantes às Cruzes Verdes das Bandeiras Pessoais do Navegador Cristóvão Colon!

Observamos que os espanhóis são muito conservadores no que diz respeito aos formatos das várias cruzes.

Os espanhóis não se querem desviar do formato da Cruz Alta de madeira que foi usada para crucificar Cristo!

Se examinarmos as cruzes usadas nas velas das caravelas Nina, Pinta e Santa Maria na primeira viagem às Caraíbas, verificamos que essas cruzes são todas DIFERENTES das Cruzes Verdes do

Colon, porque ESTAS têm as extremidades dos braços em 45 graus.

Nenhuma destas caravelas tem a Cruz da Ordem de Cristo.

Vários tipos de Cruzes em Portugal

A Cruz dos Descobrimentos em Portugal foi a Cruz da Ordem de Cristo.

O que muita gente não sabe em Portugal é a ORIGEM da Cruz da Ordem de Cristo e as METAMORFOSES porque ela passou. Temos portanto que fazer uma revisão esquemática dos braços ou extremidades da Cruz da Ordem de Cristo.

A Cruz da Ordem de Cristo é derivada da Cruz dos Templários de Portugal.

A Bandeira da Cidade de Tomar mostra-nos a História das duas bandeiras:

Dos Templários e da Cruz da Ordem de Cristo.

Bandeira de Tomar

(1) Do lado esquerdo é a Bandeira dos Templários entre 1160 até 1319

(2) Do lado direito é a Bandeira da Cruz da Ordem de Cristo entre 1319até ao presente.

Primeira Cruz da Ordem de Cristo

A primeira Cruz da Ordem de Cristo é, como já dissemos, derivada da Cruz dos Templários portugueses.

Foi o Grão-Mestre da Ordem, Gualdino Pais, que em 1160 construiu o Castelo e Convento de Tomar, que possui um altar mor com oito arcos, chamado Charola, que é uma imitação do Santo Sepulcro, que os Templários Portugueses viram em Jerusalém, onde Jesus Cristo foi sepultado.

Aqui está a Cruz dos Templários, que apresenta as extremidades ou braços da cruz, em arcos CONVEXOS, irradiando do centro do círculo.

Esta cruz é típica na construção original do Convento de Tomar.

Neste diagrama vemos claramente os cortes que se fizeram nos braços da Cruz dos Templários para originar a PRIMEIRA Cruz da Ordem de Cristo. Os arcos CONVEXOS foram cortados e tornaram-se planos ou rectilíneos.


Foto da PRIMEIRA Cruz da Ordem de Cristo no Convento de Tomar gravada em pedra.

ALERTA! Esta PRIMEIRA Cruz da Ordem de Cristo é uma das Cruzes Verdes Pessoais que aparece numa das Bandeiras do Cristóvão Colon!

Vejamos agora as mudanças da PRIMEIRA para SEGUNDA Cruz da Ordem de Cristo.

Nos fins do século XIV, as extremidades da Cruz da Ordem de Cristo sofreram nova transformação.

Os braços começaram a tomar uma forma angular terminando em arcos CÔNCAVOS.


Foto da SEGUNDA Cruz da Ordem de Cristo no Convento de Tomar gravada em pedra.

Vejamos agora as metamorfoses das TRÊS CRUZES da Ordem de Cristo

ALERTA! Esta TERCEIRA CRUZ da Ordem de Cristo é uma das Cruzes Verdes Pessoais que aparece numa das Bandeiras do Cristóvão Colon!

Janela do Capítulo no Convento de Tomar.
Notar a TERCEIRA Cruz na parte superior desta janela,com as extremidades em 45 graus.

O monumento em Portugal que possui os três tipos de Cruzes da Ordem de Cristo por excelência é a Torre de Belém construída entre 1516-1521.

Torre de Belém em Lisboa rendilhada com Cruzes da Ordem de Cristo

Aqui está a fotografia da Cruz da Ordem de Cristo na varanda viradapara a FOZ do rio Tejo. Notar as extremidades da cruz CÔNCAVAS,típicas da SEGUNDA Cruz.


Aqui está a fotografia da Cruz da Ordem de Cristo na varanda virada para a NASCENTE do rio Tejo. Notar as extremidades da Cruz em 45graus.

ALERTA! Esta TERCEIRA Cruz da Ordem de Cristo é uma das Cruzes Verdes que aparece numa das Bandeiras Pessoais do Cristóvão Colon!

Agora que já vimos calmamente a evolução das três Cruzes daOrdem de Cristo estamos preparados para examinarmos asduas Bandeiras Verdes Pessoais dos estandartes do Navegador Cristóvão Colon.


Agora vamos analisar as duas letras F e Y nas duas bandeiras do Navegador.

Mas antes de analisarmos os significados da duas letras F e Y temos que REVER a descoberta do Monograma de Salvador Fernandes Zarco ou seja a Sigla: S F Z.

Aqui está um documento verdadeiro que mostra do lado esquerdo o Monograma e do lado direito a Sigla do Navegador.


Vamos examinar as letras do lado esquerdo das Bandeiras Verdes


Agora vamos analisar as letras do lado direito das Bandeiras Verdes.Para analisarmos estas duas letras temos que recorrer ao Alfabeto Hebraico:


O Alfabeto Hebraico não possui vogais nem algarismos árabes tais como: 1, 2, 3, 4,5, etc.

Os judeus atribuem valores numéricos às letras.

Usam as letras tambémpara vários significados.Temos que salientar a letra “Zayin”, que significa um Z e também as letras“Tsade” que têm um som igual a um ‘Z’.

As duas letras do lado direito das Bandeiras Verdes são duas letras Hebraicas que se pronunciam: ZAYIN and TSADE ambas com o som de um Z.

Podemos fazer uma análise semelhante na outra bandeira Verde.

Se estas duas letras ZAYIN and TSADE tem um som de Z será pedir muito se as consideramos iniciais do nome ZARCO?

Assim se juntarmos as letras do lado esquerdo das Bandeiras Verdes, com as letras do lado direito, vamos concluir queelas são iniciais do nome S F Z :Salvador Fernandes Zarco, tal qual como diagnosticamos no Monograma deS F Z :Salvador Fernandes Zarco.

Contrapontos:

(1) Qual será o significado das Coroas de Duque nas duas Bandeiras Verdes? Cristóvão Colon faz uma descrição no Diário de Bordo como se estas Bandeiras Verdes fossem exclusivamente suas. Encimadas com coroas, isto significa que ele tinha sangue azul, era brasonado.

(2) Será que a letra F do lado esquerdo das Bandeiras Verdes poderá ser a inicial do Rei Don Fernando de Espanha e a letra Y do lado direito a inicial da Rainha Isabela de Espanha?

(3) Devemos lembrar que o pai de Cristóvão Colon era o DomFERNANDO, Duque de Beja e a Mãe dele chamava-se ISABEL GONÇALVES ZARCO. As Coroas nas bandeiras são do feitio de Coroas de um Duque.

(4) Se a letra F fosse a inicial do Rei Espanhol DonFernando e a letra Y da Rainha Isabela de Espanha, porque é que AMBAS as Bandeiras Verdes têm duas Bandeiras Portuguesas da Ordem de Cristo e NENHUMA bandeira espanhola? ? ?

Colofon

As Bandeiras Verdes Pessoais do Cristóvão Colon estão expostas numa grande pintura na Rotunda do Capitólio em Washington, D. C.


Esta pintura mostra Cristóvão Colon a desembarcar numa ilha das Índias Ocidentais chamada Guanahani à qual ele trocou o nome para São Salvador,no dia 12 de Outubro de 1492.

Ele ergueu a Bandeira dos Reis Católicos de Espanha e reclamou aquela terrapara Espanha, tirou o chapéu em homenagem àquele momento sagrado.

Os Capitães da Niña e da Pinta exibiram os estandartes do Cristóvão Colon -duas Bandeiras Verdes que contêm os desenhos de duas Bandeiras da Cruzda Ordem de Cristo.

Devemos notar que Colon deu à primeira ilha em que desembarcou nome de São Salvador o qual coincide com o seu primeiro nome Salvador!


Estou muito feliz porque esta pintura mostra duas Bandeiras Verdes com as características das bandeiras Portuguesas da Cruz da Ordem de Cristo.

Os FORMATOS das cruzes são ainda mais importante que a sua cor. Não há nenhuma Nação no mundo que possa reclamar possuir cruzes iguaisàs Cruzes da Ordem de Cristo!

Estas Cruzes Verdes são muito importantes para os Luso-Americanos quevivem nos Estados Unidos da América.

Estas duas Bandeiras Verdes queestão nesta pintura são FACTOS.

Contra factos não há argumentos!

As duas Bandeiras Verdes estão na célebre pinturano Capitólio Americano não são cruzes espanholas da Ordem de Calatrava, da Ordem de Alcantara, da Ordem de Santiago, ou da Ordem de Nossa Senhora de Monteza.

As duas Bandeiras Verdes Pessoais de Colon não são as bandeiras da Ordem de São Benedito de Avis, nem da Ordem de Ala, nem tão pouco dos Templários.

As Bandeiras Verdes não são da Ordem de Malta, da Ordem Teutónica, da Ordem de São Gregório, da Ordem do Santo Sepulcro, ou da Ordem de São Silvestre.

Repetimos:

As Cruzes Verdes das bandeiras que estão na pintura no Capitólio Americano têm o mesmo FORMATO da PRIMEIRA e da TERCEIRA Cruz da Ordem de Cristo de Portugal!

Conclusão:

Nas Bandeiras Verdes podemos ler:

(1) O nome do Navegador – Salvador Fernandes Zarco, como aparece no Monograma.

(2) E confirmamos duas Cruzes da Ordem de Cristo Portuguesas no centro das bandeiras.

Esta descoberta é muito importante para os portugueses e seus descendestes que vivem na América, para meditarem que existe uma pintura no sítio mais importante da América – no Capitólio da Nação – a atestar esta descoberta fantástica de que o Cristóvão Colon era Português!

Doravante todas as pessoas que entrarem na Rotunda do Capitólio vão deparar com 8 pinturas enormes sobre os acontecimentos históricos mais importantes desta Nação e constatarão que no desembarque da descoberta da América, o protagonista Cristóvão Colon era Português e tinha, como suas insígnias, duas Bandeiras Portuguesas com a Cruz da Ordem de Cristo, símbolo dos Descobrimentos Portugueses!

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

" significado de África, Angola antiga... "


Angola – Antiga e a várias velocidades
Angola é antiga e funciona a várias velocidades. Há quem o ignore….
a costa  ocidental de África (mapa do início do século XVII).
Angola é antiga
A cidade do Congo, M'Banza Congo, que já era capital do Reino do Congo quando a guarnição de Diogo Cão chegou à foz do Zaire, em Abril de 1483, aparece pela primeira vez com o nome de São Salvador do Congo em cartas enviadas a João III de Portugal (que reinou de 1521 a 1557) por Álvaro I do Congo (que reinou de 1568 a 1587). 
Em 1549 foi construída na cidade do Congo uma igreja católica, que foi elevada a catedral em 1596, e que é a mais antiga igreja das Áfricas Central e Meridional. 
A cidade do Congo manteve o nome de São Salvador do Congo até pouco depois da Independência de Angola, em 11 de Novembro de 1975.
A Vila de São Paulo de Loanda foi fundada em 25 de Janeiro de 1576 por Paulo Dias de Novais, neto do Bartolomeu Dias que em 1488 dobrou o Cabo das Tormentas, depois Cabo da Boa Esperança, passando do Oceano Atlântico ao Oceano Índico e assim abrindo o Caminho Marítimo para a Índia.
Em 1578 foi fundada Benguela, depois chamada Benguela-a-Velha e finalmente Porto Amboim, nome que actualmente mantém.
Em 1605, com o aumento da população e do número de edificações, que se estendiam já do Forte de São Miguel ao Convento de São José (sito no local onde hoje se ergue o Hospital Velho, ou Hospital Josina Machel), a Vila de São Paulo de Luanda recebeu foral de cidade, tendo sido constituída a sua primeira vereação municipal.
A cidade de São Filipe de Benguela, capital do chamado “Reino de Benguela”, foi fundada em 17 de Maio de 1617 por Manuel Cerveira Pereira, Governador e Capitão-General de Angola de 1603 a 1606, num primeiro mandato, e de 1615 a 1617, num segundo mandato. Os Reinos de Angola e de Benguela foram autonomamente administrados de 1617 a 1869.
A partir de 1627 a cidade de Loanda tornou-se o centro administrativo de uma região, chamada de “Reino de Angola” que abarcava basicamente os vales dos rios Dande, Bengo e Quanza, bem como os vales dos seus afluentes, sendo pois menor do que a região actualmente designada por esse mesmo nome.
os Reinos do Congo, de Angola e de Benguela (mapa do fim do século XVII).
Neste período foram erguidas:
Em 1576, a Igreja da Misericórdia;
Em 1583, a Sé Episcopal (sita no local onde actualmente funciona a Casa Militar da Presidência da República);
Em 1593, a Igreja dos Jesuítas;
Em 1604, o Convento de São José (sito no local onde hoje se ergue o Hospital Velho);
Em 1607, o Palácio do Governador;
Em 1623, a Casa da Câmara (sito no local onde mais tarde funcionou o Tribunal da Relação de Luanda);
Em 1618, a Fortaleza de São Pedro da Barra;
Em 1634, a Fortaleza de São Miguel de Loanda.

fortaleza de S. Miguel de Luanda 
Em 1641 Loanda foi conquistada, e saqueada, por uma frota de 18 navios da Companhia Holandesa das Índias Ocidentais sob o comando do corsário Cornelis Corneliszoon Jol (1597 – 1641), alcunhado ‘de Houtebeen’, ‘o Perna-de-pau’, tendo os moradores e a vereação retirado para o Bengo, primeiro, para Massangano, depois.

Em 1648 Loanda foi reconquistada, no dia 15 de Agosto, por uma frota luso-brasileira de 12 navios, sob comando de Salvador Correia de Sá e Benevides. Em comemoração do facto o nome da cidade foi alterado para São Paulo da Assunção de Loanda.
De 15 de Agosto de 1648 a 10 de Novembro de 1975 a cidade de São Paulo da Assunção de Loanda permaneceu sendo a capital:
Primeiro, do Reino de Angola, um dos reinos do Rei de Portugal.
Depois, da Província de Angola, uma colónia, ou província ultramarina, a designação variou, da República Portuguesa.
No dia 11 de Novembro de 1975 Portugal retirou, o Movimento Popular de Libertação de Angola, MPLA, proclamou a independência em Luanda, a Frente Nacional para a Libertação de Angola, FNLA, e a União Nacional para a Independência Total de Angola, UNITA, proclamaram-na em Nova Lisboa, actual Huambo, e seguiu-se uma guerra civil que terminou em 4 de Abril de 2002, com a vitória do MPLA.
Tendo em vista permitir avaliar a antiguidade relativa de Angola junto algumas datas:
1483 – Contacto de Diogo Cão com a Cidade do Congo, M’Banza Congo, que já existia.
1519 – Fundação de Havana, em Cuba.
1549 – Fundação de São Salvador da Bahia de Todos os Santos.
1565 – Fundação de São Sebastião do Rio de Janeiro.
1576 – Fundação de São Paulo da Assunção de Luanda.
1617 – Fundação de São Filipe de Benguela.
1625 – Fundação de Nova Iorque.
1652 – Fundação Cidade do Cabo.
1782 – Fundação de Maputo.
1855 – Fundação de Pretória.
1880 – Fundação de Brazzaville.
1881 – Fundação de Kinshasa.
1886 – Fundação Joanesburgo.

Angola funciona a várias velocidades
Em Angola coexistem três grandes grupos etnolinguísticos, os Mucancalas, os Bantos e os Lusos.

crianças Mucancala.
Os Mucancalas, os mais antigos ocupantes humanos vivos do actual território de Angola, têm a pele de diversos tons de bege, o cabelo preto e aos montinhos encaracolados, os olhos negros e muito frequentemente apresentam esteatopigia. São caçadores-recolectores paleolíticos e falam uma língua da família de línguas khoisan (que se caracteriza pelo uso de cliques como fonemas).
mulheres Banto (Huílas).
Os Bantos, que começaram a entrar no actual território de Angola por volta de 1300 dC, têm a pele de diversos tons de castanho, o cabelo preto e encarapinhado, os olhos negros. São agricultores, ou pastores, ou agricultores e pastores, bem como caçadores e guerreiros. A sua cultura de base é característica do início da idade do ferro e falam línguas banto (que se caracterizam pelo uso extensivo de prefixos).
Os Lusos, que começaram a entrar no actual território de Angola por volta de 1483 dC, têm a pele, o cabelo, os olhos, de variadas cores (o grupo inclui indivíduos de diversas ascendências). São agricultores e criadores de gado, comerciantes, industriais, dedicando-se às mais variadas actividades económicas dos sectores primário, secundário, terciário e, bem assim, à administração, à cultura e à guerra. A sua cultura de base é a moderna cultura científico-tenológica e falam português.
Três velocidades básicas portanto:
A velocidade dos Mucancalas (o Paleolítico terá terminado na África Tropical há cerca de 5 mil anos, por volta de 3000 aC).
A velocidade dos Bantos (a Idade do Ferro ter-se-á iniciado na África Tropical há cerca de 3 mil anos, por voltade 1000 aC).
A velocidade dos Lusos (a Idade Científico-Tecnológica teve início há cerca 500 anos, por volta de 1500 dC, como o «... a experiencia he madre das cousas, por ella soubemos rradicalmente a verdade...» do Esmeraldo de Situ Orbis, p. 196).
E além das três velocidades básicas existem as diversas velocidades intermédias, dos que têm um pé num grupo, um pé noutro grupo…

ANEXOS:
1. Invasões (ou migrações) e Reinos (ou impérios).


 L = Lusos; A = Angola; B = Benguela; M = Muatiânvua; B = Barotze.
Os Bantos chegaram por terra às regiões que hoje são Angola … e desceram os rios em direcção ao mar.
Os Lusos chegaram por mar às regiões que hoje são Angola … e subiram os rios em direcção ao interior.
Os rios descidos, ou subidos que mais importância tiveram foram os Congo-Zaire, Dande, o Quanza e o seu afluente Lucala, o Longa, o Cuvo-Queve, o Catumbela, o Coporolo e o Curoca. O rio Cunene não foi usado porque, ao que parece, nos séculos XVI e XVII a água corria por baixo das dunas que lhe ocultavam completamente a foz.
Povos e Línguas de Angola, de Carlos Pires
Mapa mostrando reinos totalmente livres da ocupação portuguesa em 1885-1897
http://protectoradodalunda.blogspot.pt/2011/01/mapa-mostrando-reinos-totalmente-livres.html

2. Distribuição geográfica dos grupos etnolinguísticos presentes em Angola.
Angola - Mapa étnico (1970).
O mapa supra, que usa a ortografia anglo-saxónica embora se baseie em estudos etnográficos portugueses realizados antes de 1975, data da independência de Angola, identifica os diversos grupos Banto, chama aos Mucancalas Khoisan e não refere os Lusos.
Na época os Lusos (que eram e são o grupo dominante, toda a gente em Angola falava e fala o português) encontravam-se dispersos por todo o território e tinham concentrações importantes nas cidades de Luanda, Nova Lisboa (Huambo), Lobito, Benguela, Sá da Bandeira (Lubango), Moçâmedes (Namibe), Malange, Carmona (Uíge), Silva Porto (Cuíto), Luso (Luena), Serpa Pinto (Menongue), seus arredores e corredores ferroviários e rodoviários que as interligavam.

3. O Nacionalismo Angolano e a Política Mundial.
1996 map of the major ethnolinguistic groups of Africa, by the Library of Congress …
Acima está o fragmento de um mapa que se retirou da Internet, concretamente da Wikipedia, the freeencyclopedia, da página Africans (http://en.wikipedia.org/wiki/Africans),
página onde se afirma que «Africans are natives or inhabitants of Africa and people of African descent.»
Consultando a legenda, no canto inferior esquerdo, que está organizada como segue
o  Tribe or Ethnic Group Name – nome da tribo, ou grupo etnolinguístico
o  Location – localização no mapa da tribo
o  Population Estimate – número estimado de elementos da tribo
o  Variant Name (a) – nome alternativo da tribo
constata-se que, segundo eles, em África só existe um grupo etnolinguístico a falar uma língua indo-europeia, os Africânderes do Cabo
o  Tribe or Ethnic Group Name – Indo-European – Afrikaaner
o  Location – E1
o  Population Estimate – 1,788,000
o  Variant Name (a) – none
e que,em Angola se falam só línguas Banto e Khoisan. Em Moçambique só línguas Banto e em São Tomé e Príncipe também só línguas Banto, entendimento que parece ser claramente anómalo e carecer de explicação.
Deixando de lado a hipótese de a anomalia decorrer da ignorância, explicação que não se reputa aceitável,  parece que a mesma decorre dos etnolinguistas norte-americanos serem, por um lado, adeptos da superioridade racial germânica e, por outro, antipapistas (posições que não se encontram historicamente desligadas uma da outra, bem pelo contrário), posições ideológicas estas que os levam a considera africana a língua dos Africânderes do Cabo, que são Frísia-Africanos, Germânicos e Calvinistas, mas não a dos Angolanos, Moçambicanos e São-Tomenses, que são Luso-Africanos, Latinos e Católicos.
Esta interpretação, estranha à primeira vista, torna-se menos estranha se nos lembrarmos que a Cidade de Nova Iorque foi fundada como Nova Amesterdão (1625), o Estado de Nova Iorque começou por ser a Colónia dos Novos Países Baixos (1614 – 1667) da Companhia dos Novos Países Baixos, primeiro, da Companhia Holandesa das Índias Ocidentais, depois, e que os Pilgrim Fathers, da Plymouth Colony (1620), eram Separatistas Puritanos Brownistas Ingleses (calvinistas que consideravam que o governo da Igreja deveria ser totalmente democrático e o ministério evangélico um encargo a que todos deveriam ter acesso).
Isto acarreta, que no que concerne às questões de África os Estados Unidos da América se assumem por vezes mais como os herdeiros do Império Neerlandês do que como os herdeiros do Império Britânico, o que acarreta que sejam hostis a Portugal e aos Luso-Africanos.
E pergunta: O que tem isto a ver com o Nacionalismo Angolano?
Simples! Os três os Movimentos de Libertação de Angola, FNLA, MPLA, UNITA, têm, todos três, origem nas Missões Protestante Norte-Americanas em Angola, e foram, todos três, apoiados pelas Igrejas Protestantes Norte-Americanas e pelo Governo do Estados Unidos da América do Norte (embora o tenham sido em épocas diferentes).
Pequena lista de nacionalistas angolanos da primeira geração (ordenada por data de nascimento):
António Agostinho Neto (Catete, 1922 – Moscovo, 1979) – MPLA (Neto) – Liceu Salvador Correia, em Luanda, e Universidades de Coimbra e de Lisboa (Medicina). Metodista.
Holden Álvaro Roberto (São Salvador do Congo, 1923 – Luanda, 2007) – FNLA – a família mudou-se para Leopoldville, no Congo Belga, em 1925 – Liceu numa escola de uma Missão Baptista – trabalhou para o Ministério das Finanças do Congo Belga em Leopoldville, Bukavu, e Stanleyville, em 1951 visitou Angola e em 1954 fundou a União dos Povos do Norte de Angola (UPNA), mais tarde União dos Povos de Angola (UPA), depois Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA). Baptista.
Joaquim Pinto de Andrade (Golungo Alto, 1926 – Luanda, 2008) – MPLA (Revolta Activa) – Liceu Salvador Correia, em Luanda, e Universidade Gregoriana de Roma (Teologia). Católico Romano.
Viriato da Cruz (Porto Amboim, 1928 – Pequim, 1973) – MPLA – Liceu Salvador Correia, em Luanda, suponho que sem estudos universitários. Ignoro em que religião foi educado.
Mário Pinto de Andrade (Golungo Alto, 1928 – Londres, 1990) – MPLA (Revolta Activa) – Liceu Salvador Correia, em Luanda, e Universidade de Lisboa (Letras). Católico Romano.
Lúcio Lara (Nova Lisboa, 1929 – ainda é vivo) – MPLA (Neto) – Liceu Diogo Cão, em Sá da Bandeira, actualmente Lubango, e Universidades de Coimbra e de Lisboa (Ciências). Ignoro em que religião foi educado.
Daniel Chipenda (Lobito, 1931 – Cascais, 1996) – MPLA (Revolta Leste) – Liceu Diogo Cão, em Sá da Bandeira, actualmente Lubango, e Universidade de Coimbra (ignoro o curso), foi jogador de futebol da Académica. Ignoro em que religião foi educado.
Jonas Malheiro Savimbi (Munhango, Moxico, 1934 – Lucusse, Moxico, 2002) – UNITA – Liceu Diogo Cão, em Sá da Bandeira, actualmente Lubango, e Universidades de Genebra, Lausanne e Friburgo (Ciências Sociais e Políticas). Evangélico Congregacional.


4. O Nacionalismo Angolano e a Política Portuguesa
O Nacionalismo Angolano nasceu no seio de um grupo social muito específico, o grupo em Angola equivalia ao que no Estado da Índia é conhecido pela designação de casados, e no Estado do Brasil pela de mazombos.
Quem são então os casados, os mazombos, os ambaquistas, os luandinos, os malanjinos, os chicoronhos, os angolenses?
Simples, são os filhos-da-terra!
São os portugueses que se fixaram, casaram, criaram filhos e netos. São os locais que adoptaram as língua e cultura portuguesas. São os descendentes de uns e de outros.
A este grupo, o dos Lusos-filhos-da-terra, opôs-se por vezes o grupo dos Lusos-filhos-do-reino, designado por reinóis na Índia, mascates no Brasil e metropolitanos em Angola.
O que aconteceu então?
Várias coisas:
O Reino de Portugal aboliu o tráfico negreiro em 1836, o que prejudicou gravemente a economia dos Reinos de Angola e de Benguela, cuja principal exportação eram as peças, os escravos, prejudicou os potentados banto-tribais do interior africano, que forneciam os escravos, e prejudicou os lusos-filhos-da-terra, que as exportavam para as Américas espanhola, francesa, inglesa e portuguesa.
Tal prejuízo económico originou grande descontentamento, descontentamento que se manifestou politicamente através de tendências independentistas, autonomistas ou de aproximação ao Império do Brasil.
Aproximadamente a partir da mesma data teve início a Corrida a África, que envolveu inicialmente a França e a Inglaterra, depois também a Alemanha e a Bélgica, que culminou no Ultimato Britânico de 1890 e na Conferência de Berlim de 1884 e1885, e que acarretou a passagem para a influência alemã, belga, francesa e inglesa de zonas anteriormente sob influência portuguesa.
Da Conferência de Berlim decorreu que as potências ficavam obrigadas a comprovar a efectiva ocupação dos territórios africanos que reclamavam, o deu origem, no fim do século XIX início do século XX, às Campanhas de Ocupação e Pacificação de Angola e de Moçambique, campanhas que obrigaram á deslocação para esses territórios de forças metropolitanas relativamente importantes.
Também aproximadamente a partir da mesma data começaram a surgir em Portugal os adeptos da superioridade racial germânica, ideologia que em termos de política colonial privilegiava os lusos-filhos-do-reino e desprivilegiava os lusos-filhos-da-terra, que aliás não distinguia dos banto-tribais (eram todos pretos), ideologia que teve uma grande influência na política colonial da I República (1910-1926), da Ditadura Militar (1926-1933) e da primeira metade do Estado Novo (1933-1953).
Qual era pois a situação dos lusos-filhos-da-terra de Angola, Cabo-Verde, Guiné, Índia, Macau, São Tomé e Príncipe, Timor, nas décadas de 1920, 1930, 1940?
Tinham sido economicamente prejudicados, tinham sido desapossados dos governos locais de que tradicionalmente se encarregavam, tinham sido desconsiderados por via da sua identificação com os banto-tribais (eram todos pretos).
Acho que não devemos ficar espantados por alguns se terem revoltado…
Este é, no meu entendimento, a perspectiva geral.
Depois há os detalhes, os pormenores, os casos pessoais. Uns trágicos, como os da Sita Valles, do Jonas Savimbi, de muitos outros, que morreram em combate. Outros menos trágicos, como os do Joaquim Pinto de Andrade, do José Eduardo dos Santos, também de muitos outros, que sobreviveram ao temporal e permaneceram em Angola. E há ainda o dos que fora de Angola também sobreviveram.
Paulo Jorge de Sousa Pinto, 
Os casados de Malaca, 1511-1641: estratégias de adaptação e de sobrevivência.
Adelto Gonçalves, 
A Revolta dos Mazombos Pernambucanos.
Evaldo Cabral de Mello, 
A Fronda dos Mazombos: Nobres contra Mascates, Pernambuco, 1666-1715.
Evaldo Cabral de Mello, 
A Fronda dos Mazombos: Nobres contra Mascates, Pernambuco, 1666-1715.
António Gusmão, 
Os Mazombos e o Pai Sumé do Peabiru.
Decreto de abolição da escravatura (Visconde de Sá da Bandeira, 1836)
5. Os Mucancalas
distribuição geográfica dos Khoe-San, ou Khoisan.
Duas citações do artigo da Revista VEJA abaixo referido:
«A pesquisa mostrou que os Khoe-San são descendentes do mais antigo evento de diversificação da história humana, que teria acontecido há 100.000 anos, e conservam até hoje essas diferenças ancestrais em seu DNA. O estudo foi publicado nesta quinta-feira na revista Science.»
«O que conseguiram confirmar foi o carácter único dos Khoe-San, que teriam se separado do resto da humanidade há 100.000 anos e seguido seu desenvolvimento de forma quase independente. A segunda divergência a ser registrada pelos pesquisadores só aconteceu bem depois, há 45.000 anos, quando os povos do centro da África se separaram dos povos ao leste. “A maior divergência entre os humanos modernos aconteceu há 100.000 anos, bem antes da migração da África, e duas vezes antes das divergências entre os pigmeus e os caçadores-colectores do leste da África do resto dos grupos africanos”, disse Carina Schlebusch, pesquisadora da Universidade Uppsala, na Suécia.»
Os Khoe-San, ou Khoisan, que vivem em Angola são aí conhecidos por Mucancalas.
VEJA: Cientistas analisam DNA de mais antiga linhagem de humanos
SCIENCE: Genomic Variation in Seven Khoe-San Groups Reveals Adaptation and Complex African History in Science 19 October 2012, Published Online September 20 2012
Khoisan
Línguas khoisan
Khoisan languages – map
Khoisan languages – tree
As Comunidades Primitivas de Caçadores e Recolectores (Khoisan)
Angola's Tribes: The Historic Khoisan People
The Khoisan
The Khoisan Speakers

6. Os Bantos
 expansão Banto (2000 aC - 2000 dC).
Ao contrário dos Mucancalas, que são relativamente homogéneos quer do ponto de vista da antropologia física quer do da antropologia cultural, os Bantos são bastante não homogéneos, chegaram ao território que actualmente é o de Angola vindos uns do Norte, outros do Leste, outros do Sul, e em diversas épocas, nalguns casos já depois da chegada dos Lusos.

6.1. Reino do Congo
Em 1483 Digo Cão contactou o Reino do Congo e visitou o Mwene Kongo Nzinga-a-Nkuwu em M'Banza Kongo, a sua capital.
É pois indubitável que os Congos já então habitavam o baixo curso do rio Zaire e estavam politicamente organizados num reino.
Na sequência desta visita Diogo Cão deixou homens seus no Congo e trouxe nobres congos a Portugal. Em 1485 esses nobres regressaram ao Congo, tendo então sido acordado aliar os dois reinos.
Em 1491, Gonçalo de Sousa foi mandado ao Congo à frente de uma Embaixada do Rei João II de Portugal,  embaixada essa que incluía artífices, missionários, soldados, armas e cavalos (uma verdadeira missão de cooperação cultural, económica e militar), tendo então sido baptizado o Manicongo (com o nome de João) e todos os principais nobres. Gonçalo de Sousa foi substituído pelo seu sobrinho Rui de Sousa em Cabo Verde pela sua morte de doença de grassava a bordo juntamente com alguns fidalgos incluindo o célebre caçuta, familiar do rei do Congo.
Este João I do Congo faleceu em 1506, tendo-lhe sucedido o filho, Mvemba-a-Nzinga ou Afonso I (ca. 1456 – 1542 ou 1543), que terá disputado a sucessão com o seu meio-irmão Mpanzu-a-Kitima, tendo nesse conflito sido apoiado pela missão portuguesa.
Afonso I empenhou-se na implantação da Igreja Católica Romana no Congo, tendo para isso enviado um filho para Portugal. Henrique, o filho, foi educado, ordenado sacerdote, sagrado bispo titular de Útica (In partibus) em 1518, voltou ao Congo em 1520 e lá faleceu em 1531, em vésperas de partir para o Concílio de Trento, em Roma.
Os 25 ou 26 anos entre o falecimento de Afonso I do Congo (1542 ou 1543) e a entronização de Álvaro I (1568) foram anos de instabilidade decorrente de:
Conflitos sucessórios, em que por vezes intervieram a Igreja e Portugal.
Conflitos fronteiriços com alguns potentados subordinados, ou tributários.
Conflitos com Portugal, decorrentes dos abusos cometidos pelos comerciantes de São Tomé, os Tomistas, que embora súbditos portugueses não respeitavam os acordos estabelecidos entre Portugal e o Congo, tendo chegado mesmo a fazer eleger um rei, Afonso II, que lhes era favorável.
Um dos conflitos entre o Congo e os seus tributários envolveu o Andongo, reino que se tornou independente em 1556, na sequência de uma campanha infeliz de Diogo I do Congo.
A um quarto de século de instabilidade interna seguiu-se meio século de estabilidade, interna não externa, os reinados de Álvaro I do Congo (1568 – 1587) e de seu filho Álvaro II (1587 – 1614), período em que ocorreu a invasão dos Jagas e a fundação de Luanda.
A invasão dos Jagas (ca. 1569) foi repelida por forças conjuntas do Congo e de Portugal sob o comando de Francisco de Gouveia Sottomaior. Da fundação de Luanda (1576) tratarei seguidamente.

6.2. Reino de Angola
Em 1560 Paulo Dias de Novais integrou, juntamente com missionários jesuítas, uma Embaixada de Portugal ao Reino do Andongo, independente desde 1556, e então governado pelo Angola Quiluanje.
Estando na Corte do Rei do Andongo, e por motivos que ainda não percebi muito bem, foi preso em data desconhecida, ajudado por uma princesa filha do Angola Quiluanje, libertado em 1565 ou 1566, e assumiu o compromisso de voltar a Portugal para arranjar socorro militar para o pai da princesa, que estaria a ser atacado por um rival poderoso.
Paulo Dias de Novais regressou realmente a Lisboa, conseguiu que Sebastião I de Portugal o designasse, através de uma Carta de Doação de 1571, «Governador e Capitão-Mor, conquistador e povoador do Reyno de Sebaste na Conquista da Etiópia ou Guiné Inferior», voltou a partir em 1574, desembarcou na Ilha das Cabras (actual Ilha de Luanda, então território do Rei do Congo) em 1575, tendo lá encontrado portugueses estabelecidos há alguns anos, uns, refugiados dos Jagas.
Quase cinco meses após o desembarque recebeu permissão do novo Rei do Andongo, o Angola Quiluanje Quiassamba, para se mudar para terra firme, o que fez, tendo-se estabelecido no morro de São Paulo, onde a 25 de Janeiro de1576 fundou São Paulo de Loanda.
Seguem-se novas confusões envolvendo os Reinos do Andongo, do Congo e de Portugal, confusões que também ainda não percebi muito bem, acabando Paulo Dias de Novais por vir a falecer e a ser sepultado, em 1589, na vila de Nossa Senhora da Vitória de Massangano, povoação por ele fundada em 1583.

6.3. Reino de Portugal
Enquanto tudo isto se passava a Sul, no Andongo e no Congo, a Norte, em Marrocos e em Portugal:
Sebastião I de Portugal morria na Batalha de Alcácer-Quibir (1578).
Henrique I de Portugal, seu sucessor e tio- bisavô, morria de velho (1580).
Filipe II de Espanha tornava-se Rei de Portugal (1580).
Os navios portugueses eram integrados na esquadra reunida por Filipe II de Espanha, Filipe I de Portugal, para ir reivindicar o Trono da Inglaterra (Invencível Armada, 1588).
Portugal era envolvido na guerra que opunha a Espanha às Sete Províncias Unidas dos Países Baixos (1595), guerra que é conhecida por Guerra dos Oitenta Anos ou Revolta Holandesa.
O envolvimento de Portugal na Guerra dos Oitenta Anos desencadeou a Guerra Luso-Holandesa ou Luso-Neerlandesa (1595 – 1693), o primeiro conflito global (combateu-se do Brasil ao Japão), conflito no qual as Guerras Angolanas, ou Guerras da Ginga, se integram e são um importante episódio.
Temos portanto que desde a chegada de Diogo Cão (1483) ao falecimento de Paulo Dias de Novais (1583) decorreram exactamente cem anos, um século em que Portugal foi governado por reis portugueses.
Do falecimento de Paulo Dias de Novais (1583) ao falecimento da Rainha Ginga (1663) decorreram oitenta anos, oitenta anos em que Portugal foi governado por reis espanhóis durante sessenta.
Isto é importante porque:
A União Ibérica, o governo dos reis espanhóis, voltou contra Portugal os inimigos de Espanha, particularmente a Inglaterra e a Holanda, potências que anteriormente eram suas aliadas.
Nos séculos XVI e XVII a política ultramarina portuguesa baseava-se no comércio – o que era importante eram as especiarias que a Carreira da Índia anualmente desembarcava em Lisboa, especiarias que eram seguidamente revendidas na Flandres, via Antuérpia, e na Itália, via Génova.
Nos séculos XVI e XVII a política ultramarina espanhola baseava-se no saque – o que era importante era a prata e o ouro que a Flota de Indias anualmente desembarcava em Sevilha, prata e o ouro que que eram seguidamente usados no pagamento dos Exércitos de Itália e de Flandres.
A Espanha tinha em vigor os Estatutos de Limpieza de Sangre, uma legislação que descriminava positivamente os cristãos-velhos nascidos em Espanha, negativamente os cristãos-novos, os cristãos-velhos não nascidos em Espanha e todos os mestiços.
Não tendo embora os Estatutos vigorado em Portugal e seu Império, o certo é que influenciaram a política portuguesa no século XVII, particularmente na época da União Ibérica, tendo-se a sua influencia estendido ao longo dos séculos subsequentes, embora de forma cada vez mais esbatida.

6.4. Resumo conclusivo
O contacto de dois séculos entre os portugueses e os povos bantos com acesso á costa – os Quicongos em Santo António do Zaire (antiga Mpinda, actual Soyo), os Quimbundos em São Paulo da Assunção de Loanda, os Ovimbundos em São Filipe Benguela – acarretou uma aculturação mútua, complexa e ainda mal estudada, com duas componentes que pretendo destacar:
Adquiriram uma tecnologia militar que os povos do interior não possuíam.
Tiveram acesso a mercadorias exóticas que podiam comerciar no interior.
A aquisição da tecnologia militar permitiu aos povos bantos da costa hegemonizarem-se face aos do interior. O acesso às mercadorias exóticas permitiu-lhes estabelecer rotas comerciais que chegavam aos Grandes Lagos e ao Índico. Nestes dois processos, quanto sei ainda pouco estudados, os Ambaquistas, Bienos, Cassanjes, Zombos, parecem ter sido importantíssimos actores.
Em termos políticos esta situação deu origem à conhecida configuração do início do século XIX na costa os Reinos do Luango, do Congo, de Angola e de Benguela, no interior os Reinos do Anzico, da Matamba, de Cassanje, do Planalto Central, do Sudoeste, mais para o interior ainda a Lunda e o Barotse – configuração que se alterou com a Corrida a África, ocorrida entre 1840 e 1920, conjunto de eventos a que esteve subjacente uma nova tecnologia militar, a tecnologia dos revólveres, das carabinas de repetição e das metralhadoras.
o reino de Garanganja e as principais rotas comerciais em 1890.
Na figura acima um mapa do Sul da África Central em 1890,mostrando a posição do Reino da Garanganja (Msiri’s Kingdom), as suas principais rotas de comércio, os territórios aproximados dos seus principais aliados (nomes a amarelo) e as áreas de influência aproximadas das potências europeias (nomes a laranja). Não são mostradas a área de influência da França, nem a da Alemanha, nem as dos restantes potentados africanos. O Muatiânvua estava a imediatamente a ocidente da Garanganja, e eram inimigos.
Nota:
As Histórias dos Reinos do Congo, Angola e Benguela, entre a chegada de Diogo Cão, em 1483, e o falecimento da Rainha Ginga, em 1663, são polémicas porque, a meu ver:
As fontes primárias são escassas.
As fontes primárias escritas são difícil interpretação por quem:
Não conheça bem os costumes e crenças banto.
Não conheça bem a História de Portugal e do seu Império, a político-militar, a económico-social, a ideológico-religiosa, a cultural e das mentalidades.
Os historiadores calvinistas e marxistas identificaram o Angola Quiluanje e a Rainha Ginga sendo como resistentes anticolonialistas e elaboraram as suas narrativas com base nesta identificação.
A Republica Popular de Angola adoptou as narrativas referidas no ponto anterior e transformou-as em História Oficial de Angola.
Referências:
História e Cultura: Os Guerreiros Jaga in Ritos de Angola
Ptolomeu e Duarte Lopes: do imaginário à realidade
Império Luba: Kingdom of Luba (http://en.wikipedia.org/wiki/Luba_Empire).
Reino de Garanganja: Yeke Kingdom (http://en.wikipedia.org/wiki/Garenganze).
Reino da Lunda: Kingdom of Lunda (http://en.wikipedia.org/wiki/Kingdom_of_Lunda).
Reino dos Quiocos: Chokwe(etnia)
Reino de Cazembe: Kazembe (http://en.wikipedia.org/wiki/Kazembe).
Reino do Barotse: Reino Bulozi (http://es.wikipedia.org/wiki/Reino_Bulozi).
Álbum da expedição ao Muatiânvua, [1887] (http://purl.pt/23726).
Os Portugueses no Mundo Cuanhama (kwanyama) III – O Reino Cuanhama no tempo de Mandume(http://www.revistamilitar.pt/artigo.php?art_id=601).
Usos e costumes dos povos do sul de Angola: Os cuanhamas e os cuamatos (http://princesa-do-namibe.blogspot.pt/2007/04/blog-post_26.html).
Olhares distanciados: O Sangue Kwanyama em três versões coloniais
Vátuas, ou Angunes – São um ramo dos Zulos.
Fotografias de Maputo em 1889, a propósito da história da fotografia em Moçambique (http://ma-schamba.com/fotografias-de-maputo-em-1889-a-838213?thread=2026309).
República Militar da Maganja da Costa in Falares de Moçambique in A bem da Nação (http://abemdanacao.blogs.sapo.pt/1004050.html).