quarta-feira, 2 de junho de 2010

" sistema Solar e extra Solar"





Planeta Mercúrio
 

O planeta Mercúrio encolheu cerca de sete quilómetros nos últimos 4.000 milhões de anos, cerca do triplo do que estimavam até agora os cientistas, segundo uma investigação hoje publicada na revista Nature Geoscience.
O estudo, dirigido pelo astrofísico do Instituto Carnegie de Washington Paul Byrne, sugere que as estruturas geológicas que se observam na crosta de Mercúrio são resultado de uma pronunciada contracção devida ao arrefecimento do planeta.
A equipa de Byrne analisou as cordilheiras e as falhas na superfície do planeta mais próximo do Sol através das imagens captadas pela sonda Messenger, em órbita à volta de Mercúrio desde 2011.
Os dados que a sonda da NASA forneceu nos últimos anos são os primeiros que chegam da área de Mercúrio desde as que foram enviadas pela Mariner 10, entre 1974 e 1975.
A partir da informação da Messenger, os investigadores recalcularam as deslocações que sofreu a crosta de Mercúrio, um planeta que gira tão lentamente sobre si mesmo que os seus dias solares têm a duração de metade de um ano terrestre.
É, além disso, um planeta extremamente denso, com um grande núcleo de ferro de 2.020 quilómetros de raio, enquanto o manto e a crosta têm apenas 420 quilómetros de espessura.
Segundo os cientistas, as estruturas geológicas que se vêem na superfície são fracturas e deformações na litosfera, a capa rígida de solo que cobre os planetas rochosos.
Os novos cálculos sobre a contracção de Mercúrio situam a diminuição do seu raio nos últimos 4.000 milhões de anos em cerca de sete quilómetros, enquanto até agora se pensava que essa diminuição tinha sido de entre 0,8 e três quilómetros.
Os resultados a que chegou a equipa de Byrne vão ao encontro de teorias científicas datadas do século XIX que sustentavam que o tamanho da Terra diminuiu no passado.
Essas teorias estão hoje obsoletas, mas podem estar de acordo com a situação observada em Mercúrio, cuja superfície é formada por apenas uma placa tectónica, ao contrário da Terra, onde a crosta superficial está dividida em diversas placas que deixam escapar o calor através das suas intersecções.
"Mercúrio permite-nos ver o que acontece realmente quando um planeta encolhe", afirma o astrofísico William McKinnon, um dos autores do artigo, na revista Nature Geoscience.

Planeta Vénus

Planeta Terra
 

O local mais frio do mundo

Montanha na Antártica regista temperaturas que davam para congelar os olhos, o nariz e os pulmões de qualquer ser humano.
Os cientistas descobriram o local mais frio do planeta Terra. As condições climatéricas registadas numa montanha da Antártica, que atinge temperaturas abaixo dos 91 graus negativos, podiam congelar os olhos, nariz e pulmões dos seres humanos em poucos minutos.
Isto ocorre porque a temperatura está quase a menos 13 graus do ponto em que o CO2 passa do estado gasoso a gelo seco (-78,5 graus Celsius).
A descoberta desta região gelada foi feita pelos investigadores do Centro de Dados Americano de Neve e Gelo (America's National Snow and Ice Data Centre), segundo o jornal 'The Sunday Times'.
Os investigadores utilizaram satélites e outras técnicas para medir as temperaturas na Antártica.
Acreditam que o local com 91,2 graus negativos – um dos numerosos lugares gelados registados na montanha – está a uma altura de 3779 metros na montanha Dome Fuji.
O local é, surpreendentemente, mais frio do que a estação de investigação Vostok, na Rússia, onde a temperatura mais fria do mundo foi registada em 1983, durante o inverno antártico.
Os investigadores dizem que é provável existirem locais ainda mais frios, pois o satélite apenas mede a temperatura média num quilómetro quadrado.
“É provável que os sítios com o recorde de frio, identificados pelos dados, tenham áreas mais pequenas no seu interior que são significativamente mais frias do que a massa grande em si”, disse um dos investigadores numa publicação sobre a descoberta.
As temperaturas mais baixas foram registadas durante os períodos secos e limpos – em oposição a dias com vento ou neve. Mas todos os detalhes da descoberta serão revelados esta semana, na reunião anual da União Americana de Geofísica.  
No início do ano, a aldeia russa de Oymyakon, revelou ser o sítio mais frio, permanentemente habitado, do mundo. A temperatura média no mês de janeiro foi de 50 graus negativos. Conhecido como o ‘Polo do Frio’, a temperatura mais baixa alguma vez registada em Oymyakon foi de 71,2 graus negativos.
A aldeia, que tem cerca de 500 habitantes, era, em 1920 e 1930, um local de paragem para pastores de renas que regavam os seus rebanhos de uma fonte termal.
Uma única loja providencia os bens essenciais para a aldeia. As pessoas locais trabalham como criadores de renas, caçadores e pescadores.
Em comparação, a temperatura mais fria no Reino Unido foi 27,2 graus negativos, registado em 1995, em Altnaharra, nas Terras Altas da Escócia.
movimentação estrelas na África do Sul, indicação do pólo Sul o centro 
Planeta Marte

 

 





Metano na atmosfera de Marte

O metano, um gás normalmente gerado por processos orgânicos, foi encontrado em uma quantidade enorme na atmosfera de Marte, alimentando as teorias de vida no planeta.
O micróbio de Marte

Os russos recentemente descobriram um micro organismo que tem uma rara capacidade de sobrevivência contra as radiações nocivas à vida e que nunca havia sido vista em nenhum outro organismo da Terra. Os cientistas acreditam que este germe pode ter sido originado em Marte a partir de vida extraterrestre.
Fósseis de Aliens

Pesquisadores encontraram uma pedra marciana na Antárctida que conteria nano-bactérias fossilizadas. Isto levou a especulações de que o asteróide teria ido parar no planeta bilhões de anos atrás e pode ter originado as formas de vida que hoje temos. Imagem mostra foto ampliada no meteorito Alh84001, com estrutura que parece ser a de um microorganismo fóssil.

Nitrogénio encontrado em Marte é mais um indício de vida no planeta

A sonda Curiosity continua a explorar o planeta MarteFotografia © Arquivo NASA
Estudo revela a existência na superfície de Marte de uma forma de nitrogénio, um dos elementos essenciais para a vida.
Há nas rochas de Marte resíduos de nitrogénio que poderia, eventualmente, ter sido usado por micróbios, se eles existiram ali, para construir moléculas, como por exemplo os amino-ácidos (componentes das proteínas). Esta foi uma descoberta da sonda Curiosity que foi revelada esta segunda-feira num artigo publicado na revista Proceceedings of the National Academy of Sciences (PNAS) e que leva os cientistas a acreditar que o planeta poderá ter tido alguma forma de vida.
A presença do elemento no planeta foi verificada a partir do instrumento Sample Analysis at Mars (SAM, sigla em inglês), que recolheu amostras de três lugares diferentes, através de perfurações em rochas e em depósitos de areia. "As pessoas seguem a pista do carbono, mas o nitrogénio é um elemento igualmente necessário para a vida", afirmou Jennifer Stern, da NASA e uma dos autores do artigo, ao Los Angeles Times.
A presença de nitrogénio no planeta é um factor a ter conta quanto à possibilidade de existir vida em Marte, já que, este elemento é imprescindível na síntese de moléculas como as proteínas RNA e DNA. No entanto, de acordo com o estudo, ainda não há indícios de qualquer mecanismo que faça com que o nitrogénio fixado no solo regresse à atmosfera e mantenha o ciclo do nitrogénio, como acontece na Terra.
Um outro artigo publicado na mesma revista aborda o modo como o monóxido de carbono, um gás abundante na atmosfera de Marte, poderia ter permitido a existência de comunidades microbiológicas no planeta.

Geólogos chineses descobriram substância orgânica em meteorito de Marte, em  2014.12.22
Imagem da substância, publicada na revista 'Meteoritics and Planetary Science'
A descoberta apresenta novas evidências sobre a possibilidade de existir algum tipo de actividade biológica no planeta vermelho.
Um grupo internacional de cientistas liderado por geólogos chineses descobriram uma substância orgânica, semelhante ao carvão, num meteorito procedente de Marte, informou hoje o diário South China Morning Post.
A descoberta, publicada no mais recente número da revista científica Meteoritics and Planetary Science, apresenta novas evidências sobre a possibilidade de existir algum tipo de actividade biológica no planeta vermelho.
Os investigadores encontraram vestígios de materiais orgânicos juntamente com elementos químicos como azoto, enxofre e fósforo, com uma estrutura semelhante à do carvão existente na Terra.
Estas substâncias foram encontradas num meteorito designado 'Tissint', que se estima ter-se separado de Marte há 700.000 anos, após a colisão de um asteróide.
Este meteorito caiu como uma bola de fogo em Marrocos em Julho de 2011 e, após meses de observação e análise dos fragmentos que o compunham, um grupo internacional de cientistas determinou que era procedente do planeta vizinho.

Um dos autores do estudo, Zhang Jianchao, físico do Instituto de Geologia e Geofísica da Academia Chinesa de Ciências, explicou que a sua equipa acredita que a substância similar ao carvão venha de Marte, em declarações ao South China Morning Post, jornal em língua inglesa publicado em Hong Kong.




Existe água em Marte, segundo a NASA.

A agência espacial norte-americana anunciou esta segunda-feira, dia 28.09.2015, ter encontrado provas da existência de água em estado líquido na superfície do planeta.
 “Existe água líquida na superfície de Marte”, disse Michael Meyer, o cientista que dirige o Programa de Exploração de Marte da NASA.
Tweetchat: Water on Mars! Question about our new discovery? Use #askNASA now http://t.co/0MW11SANwL #MarsAnnouncement pic.twitter.com/UbBtn9eU7P— NASA (@NASA) 28 Septembre 2015.
 A NASA afirma que nos meses de verão de Marte a água corre ao longo de canhões e das paredes das crateras. A possibilidade de existir vida no planeta vermelho é portanto mais elevada do que antes parecia, segundo os cientistas envolvidos no trabalho de investigação que utiliza o robot Curiosity, enviado para Marte em 2012.
Os cientistas dizem ter detectado sais, que só se formam na presença de água, em pequenos canais esculpidos ao longo das encostas de montes e de crateras na região equatorial do planeta. Estes sinais seriam evidência da presença de água corrente e permitem afirmar que é pelo menos possível a existência hoje de um ambiente habitável no planeta vermelho.
De acordo com imagens obtidas a partir da órbita de Marte, as encostas e paredes a pique de vales, de canyons e de crateras, estão sulcadas por correntes fluidas que, nos locais de maior actividade, formam padrões em forma de leque. Ao lado de Michael Meyer, na conferência de imprensa, estava Jim Green, director da ciência planetária na sede da NASA.
Via teleconferência, participaram também Lujendra Ojha, do Georgia Institute of Technology (que Ojha descobriu indícios de água em Marte, em 2011, quando ainda estudava na universidade) e Alfred McEwen, investigador principal da HiRISE (High Resolution Imaging Science Experiment), uma câmara a bordo da Mars Reconnaissance Orbiter que já fotografou centenas de pedaços da superfície de Marte, com muito detalhe.
A conferência de imprensa, transmitida de Washington, tinha sido anunciada no site e Twitter da NASA.
A última vez que a Agência Espacial Americana fez um anúncio deste género, foi em Julho passado, tendo então revelado a descoberta de um planeta (que ficou conhecido como Kepler-452b), com características semelhantes às do planeta Terra, a orbitar numa estrela pouco maior do que o Sol.
A NASA afirmou várias vezes no passado que Marte tem condições adequadas para a formação de vida e que mais exploração e futuras investigações poderiam trazer provas que reforçariam esta hipótese.
As viagens a Marte começaram nos anos ’60 sempre com recurso a instrumentos robóticos.
Agora, a NASA já anunciou os seus planos de enviar humanos a Marte na década de 30 deste milénio.

Há água salgada em Marte

A imagem divulgada pela NASA é possível ver, a preto, as linhas que se trata de água corrente
"Não é o planeta seco e árido que se  imaginava no passado". Descoberta aumenta as hipóteses de haver vida. Existência de água facilita exploração de Marte por astronautas.
Corre água líquida na superfície de Marte. A revelação é da NASA, a agência espacial norte-americana, que anunciou a descoberta esta segunda-feira, dia 28 de Setembro de 2015 numa conferência de imprensa.
Ao jornal britânico The Guardian,  o líder do Programa de Exploração de Marte explicou antecipadamente, que há provas da presença de água em estado líquido no planeta vermelho, o que pode representar um ambiente favorável à existência de vida.
Michael Meyer, principal investigador na pesquisa sobre Marte, contou ao Guardian que a presença de água líquida, embora ainda se desconheça a sua origem, indica que seja "pelo menos possível ter um ambiente habitável actualmente" no planeta vizinho.
A água líquida corre pelos vales e crateras marcianos durante os meses de verão, explicam os cientistas. A equipa ainda não percebeu de onde vem essa água. Pode ter origem em depósitos subterrâneos de água salgada ou gelada que sobe à superfície nas alturas mais quentes, ou pode condensar a partir do vapor de água no ar. É possível ver os rastos deixados na superfície pelo fluxo da água nas fotografias tiradas por satélites em órbita.
A descoberta de água em estado líquido no planeta Marte, o planeta mais próximo da Terra e aquele que é mais parecido com ela em temperatura, é um objectivo da ciência há décadas. Agora, os cientistas acreditam que esta descoberta aumenta as hipóteses de que exista vida em Marte. A existência de água também pode facilitar uma futura exploração de Marte por astronautas.
Desde 2011 que há suspeitas de que as linhas escuras visíveis nas imagens de satélite, que se formam, nos meses mais quentes do ano marciano, na superfície do planeta se deviam a água corrente. Quando os cientistas da equipa de Lujendra Ojha, do Instituto de Tecnologia do estado norte-americano da Georgia, analisaram essas linhas com luz infra-vermelha, perceberam que existiam sais dissolvidos em água nas paredes dos vales onde as linhas surgiam - sais que não estavam presentes antes do aparecimento dessas linhas.
A descoberta comprovava a presença de água corrente salgada nos meses quentes.
É importante lembrar que a água pura em Marte é muito instável, tornando-se facilmente em vapor ou em gelo devido à baixa pressão atmosférica.
Conferência de imprensa em directo
A conferência da NASA, em que foi anunciada esta descoberta e os seus pormenores, decorreu entre as 16.30 e as 17.30, hora de Lisboa, do dia 28.09.2015.
"Se recuarmos três mil milhões de anos e olharmos para Marte, Marte era muito diferente" do que é hoje, explicou Jim Green, director de ciência planetária da NASA e o primeiro orador a tomar a palavra, descrevendo que a atmosfera do planeta era mais rica, e existia um enorme oceano. "Mas Marte sofreu grandes alterações climáticas e perdeu a sua água de superfície".
Segue-se a grande revelação do "mistério" que a NASA promovia há semanas: "Marte não é o planeta seco e árido que imaginávamos no passado. Hoje anunciamos que, nalgumas circunstâncias, encontrámos água líquida em Marte", afirmou Jim Green.
Michael Meyer, líder do projecto da NASA de Exploração de Marte, explicou em seguida que as linhas escuras que é possível ver na superfície de Marte se tratam de água corrente - ribeiros que se formam na primavera, engrossam durante o verão e desaparecem com a chegada do outono. As temperaturas mais quentes permitem a formação dessas linhas de água corrente.
Inicialmente, porém, quando as linhas foram avistadas, os cientistas deram-lhes o nome de "Linhas Recorrentes nas Encostas" (RSL na sigla inglesa), para que o nome fosse apenas descritivo do aspecto das linhas e não contivesse nenhuma suposição acerca do que as causava, permitindo um estudo mais objectivo. O investigador principal da câmara de alta definição HiRISE, Alfred McEwen, participa na conferência ao telefone a partir de Nantes, em França, e explica que as linhas se formam quando Marte está mais perto do Sol. Marte tem uma órbita mais excêntrica do que a Terra, ou seja, a sua órbita ao redor do Sol tem um ponto mais próximo e um ponto mais longínquo do que o que acontece na Terra, gerando Verões mais quentes e Invernos mais frios.
Lujendra Ojha, identificado na conferência de imprensa como Luju, a sua alcunha, também fala a partir de Nantes. Ojha conta que a sua equipa estudou as linhas escuras em Marte através de uma técnica científica de análise da luz conhecida como espectroscopia.
A espectroscopia permite analisar a composição química dos materiais através da "assinatura" que cada elemento químico deixa na luz que reflecte, consoante as frequências de luz que absorve e as que reflecte.
Recorrendo a essa técnica, a equipa de Ojha analisou as falésias onde se formavam as linhas antes de estas surgirem e durante o período em que estas são observáveis.
Os cientistas conseguiram assim constatar a presença de água, através da assinatura química de certos sais que se encontram dissolvidos nela.
Os sais hidratados só se encontravam presentes quando as linhas escuras apareciam, o que permitiu concluir que as linhas se tratavam de água corrente.
Os sais dissolvidos na água permitem que esta se torne mais estável, mantendo-se em estado líquido mesmo apesar das variações de temperatura, algo que não acontece com a água pura.
Mary Beth Wilhelm, do centro de investigação de Ames, da NASA, acrescenta que a água líquida é um "ingrediente essencial para a vida".
Ainda não se sabe quão habitável seria esta água para micróbios semelhantes aos da Terra: isso depende da sua temperatura e da concentração dos sais.
A água descoberta será muito mais salgada do que os oceanos da Terra, podendo mesmo ter uma aparência mais semelhante à da terra húmida.
Wilhelm acrescenta que uma futura exploração humana de Marte seria facilitada pela presença de água líquida no planeta, pelo que é importante perceber melhor como se forma esta água líquida, seja por condensação do vapor do ar ou derretimento de reservas subterrâneas geladas, e saber qual a sua composição.
Wilhelm explicou que os sais descobertos dissolvidos na água foram descobertos em várias partes diferentes do planeta.
Durante a sessão de perguntas e respostas com os jornalistas, o astronauta John Grunsfeld, também administrador de missões na NASA, mostrou-se optimista com a ideia de que a descoberta "deste tipo de recursos" pudesse ajudar a enviar astronautas para Marte.
As colinas íngremes por onde a água escorre não são acessíveis aos módulos que a NASA tem no solo marciano, mas poderiam ser trepadas por astronautas, acrescenta Grunsfeld. John Grunsfeld anunciou no início da sessão que vestia a sua roupa de astronauta intencionalmente. "Nós vamos a Marte", declarou.
Ao encerrar a conferência de imprensa, alertou: "Por favor mantenham-se atentos à ciência, porque a ciência nunca dorme. Estamos sempre a descobrir coisas novas".



Em Marte, no Verão, a água ferve aos zero graus
AFP e PÚBLICO
10/05/2016 - 14:39
Cientistas fizeram várias experiências com água gelada colocada no cimo de um monte de areia, simulando as condições de pressão atmosférica em Marte.
O aspecto da superfície de Marte, com estrias marcadas nas suas encostas, pode ser o resultado de água a ferver que escorre sob a baixa pressão atmosférica do planeta, segundo um estudo publicado na revista Nature Geoscience. Os cientistas tinham colocado a hipótese de estes canais e sulcos marcados nas encostas de Marte terem sido formados por água líquida muito salgada que escorreria sazonalmente no planeta vermelho.
Em Setembro, uma equipa de cientistas da NASA anunciou a existência água salgada em Marte. Era o resultado de análises às estrias escuras que foram descobertas em 2011 e que surgem e desaparecem todos os anos no planeta. Alfred McEwen, um dos autores desse artigo também publicado na Nature Geoscience e investigador principal da Experiência Científica de Imagens de Alta Resolução, um aparelho que pertence à Mars Reconnaissance Orbiter, a sonda da NASA que está a orbitar Marte desde 2006, adiantou na altura que “a água que escorre em Marte é muito, muito mais salgada do que a dos oceanos da Terra”.
Apesar de existir gelo no Pólo Norte de Marte, a existência de água líquida num planeta que tem uma temperatura média de 63 graus Celsius negativos e uma atmosfera finíssima sempre foi considerada altamente improvável. Na Terra, a água precisa de atingir os 100 graus Celsius para a ebulição. Porém, quanto maior a altitude mais diminui a pressão atmosférica, o que significa, por exemplo, que no topo do Evereste a água ferve aos 60 graus. Em Marte, com uma atmosfera bem menos densa do que a da Terra, a água entra em ebulição a partir dos zero graus.
Durante o Verão marciano, quando o gelo subterrâneo começa a derreter e aparece à superfície, numa altura em que a temperatura média ronda os 20 graus, a água começa imediatamente a ferver. Uma equipa de investigadores franceses, ingleses e norte-americanos liderada por Marion Massé, do Centro Nacional de Investigação Científica da Universidade de Nantes, em França, fez uma série de experiências simulando as condições atmosféricas do planeta vermelho.
Os cientistas colocaram um pedaço de gelo em cima de um talude inclinado a 30 graus e coberto de areia. Na atmosfera da Terra, este gelo infiltra-se lentamente na areia sem alterar a sua superfície. Em Marte é diferente. O gelo entra imediatamente em ebulição e o gás libertado faz levantar grãos de areia. Os grãos acumulam-se em pequenos montículos íngremes que, logo a seguir, se desmoronam causando verdadeiras avalanches de areia.
“Os fenómenos observados na areia usada nestas experiências são extremamente semelhantes aos vestígios observados em Marte”, afirmou Wouter Marra, da Faculdade de Utrecht, na Holanda, que comentou este estudo.
Para os investigadores, a existência de água líquida em Marte, mesmo que seja só em quantidades diminutas, a ferver e durante as horas mais quentes do Verão, desempenha um papel importante. E a instabilidade da água parece ainda aumentar significativamente o seu impacto sobre a morfologia da superfície do planeta. 



Fobos, satélite natural do planeta Marte 

No dia 18 de Agosto de 1877, o pesquisador Asaph Hall descobria Fobos, uma das duas luas de Marte, a maior e a mais próxima lua do planeta. Fobos é, em todo o Sistema Solar, o satélite que órbita mais próximo do planeta-mãe: menos de seis mil quilómetros acima da superfície marciana. Os astrónomos teorizam que o satélite era provavelmente um asteróide que foi capturado pela força de gravidade de Marte.
 
 destruição lenta de Phobos lua de Marte
  Ceres - Planeta Anão

 As cores nesta imagem foram alteradas para permitir uma melhor visualização da superfície do planeta-anão Ceres

Está desvendado o mistério das luzes no planeta-anão Ceres

As misteriosas luzes brilhantes no planeta-anão Ceres, o maior na cintura de asteróides que separa Marte de Júpiter, podem ter o seu segredo desvendado. Uma nova investigação publicada na revista científica Nature  demonstra que as brilhantes luzes brancas podem ter origem em grandes planícies de sal.
O mais provável, argumentam os investigadores autores do estudo, é que as luzes sejam reflexos em planícies de sulfato de magnésio ou de outro sal.
As luzes brancas visíveis em Ceres quando o planeta-anão foi fotografado pela primeira vez de perto, pela sonda Dawn da agência espacial norte-americana, a NASA, levantaram grande especulação tanto entre o público em geral como junto da comunidade científica.
Alguns esperavam que os reflexos brilhantes tivessem a sua origem em gelo ou água. A NASA chegou a criar uma sondagem que permitia aos utilizadores escolher várias hipóteses que explicassem as luzes.
As cores nesta imagem foram alteradas para permitir uma melhor visualização da superfície do planeta-anão
"A localização de alguns dos pontos brilhantes coincide com sítios onde vapor de água foi detectado por outras naves", disse Vishnu Reddy, investigador do Instituto de Ciência Planetária citado num comunicado. "Isto deixa-nos confiantes de que os pontos brilhantes são depósitos de sal deixados após a sublimação de água salgada".
Os investigadores sublinham no artigo publicado na Nature que poderá haver uma camada de gelo sob a superfície de Ceres. Os locais onde se vêem as planícies de sal podem ser lugares onde meteoros quebraram a superfície exterior e expuseram a camada inferior, permitindo que a água sublimasse (passasse directamente do estado sólido para o gasoso), deixando apenas o sal.

Planeta Júpiter
 

 

 


 
 

Maior lua de Júpiter tem um oceano salgado maior do que os oceanos da Terra juntos

O oceano tem uma profundidade de cem quilómetros, sob uma crosta de 150 quilómetros formada essencialmente por gelo.
Ganimedes, a maior lua de Júpiter e do sistema solar, tem um vasto oceano de água salgada debaixo da espessa crosta gelada e maior do que todos os oceanos da Terra juntos, foi hoje revelado.
As conclusões, que se baseiam nas observações do telescópio espacial Hubble, das agências espaciais norte-americana NASA e europeia ESA, confirmam o que os cientistas suspeitavam anteriormente.
"Um oceano profundo, sob a crosta gelada de Ganimedes, abre ainda mais possibilidades quanto à existência de vida para além da Terra", afirmou John Grunsfeld, responsável pela investigação na NASA, defendendo que a descoberta marca "uma etapa significativa".
Para o director da divisão de ciência planetária da NASA, Jim Green, este oceano "comunicou" com a superfície do satélite natural num passado longínquo.
Segundo os investigadores, o oceano tem uma profundidade de cem quilómetros, dez vezes maior do que a dos oceanos da Terra juntos, e está sob uma crosta de 150 quilómetros formada essencialmente por gelo.
Desde a década de 70 que os estudiosos de planetas suspeitavam, com base em modelos de estudo de grandes luas, que Ganimedes, descoberta em 1610 pelo astrónomo Galileu, poderia ter um oceano, lembrou um dos principais autores da investigação hoje divulgada, Joachim Saur, da Universidade de Colónia, na Alemanha.
As novas observações com o Hubble, a partir de raios ultravioleta, permitiram detectar e estudar as auroras nas regiões polares de Ganimedes, que, como as da Terra, são provocadas pelo campo magnético.
Ganimedes está sob influência do campo magnético de Júpiter, planeta gasoso do qual está próxima e que é o maior do sistema solar. Cada vez que o campo magnético de Júpiter muda, as auroras sobre Ganimedes também se alteram.
Observando o movimento das auroras, os cientistas conseguiram determinar a existência de um vasto oceano salgado debaixo da camada de gelo, que afecta o campo magnético do satélite de Júpiter.
Uma vez que a água salgada é condutora de electricidade, o movimento do oceano influencia o campo magnético.
Ganimedes possui um diâmetro de 5.262 quilómetros, sendo, por isso, maior do que Mercúrio (4.879 quilómetros).
A existência de um oceano líquido sob uma camada de gelo já foi confirmada em Europa, outra das quatro maiores luas de Júpiter.
Recentemente, a NASA anunciou o envio de uma missão robótica para Europa, considerada, por um dos responsáveis científicos da agência espacial, Robert Pappalardo, como um dos lugares do Sistema Solar onde há maior probabilidade de ser encontrada vida.
O cientista explicou que a maior Lua de Júpiter tem uma crosta de gelo relativamente fina, sob a qual existe um oceano líquido em contacto com rochas profundas, é geologicamente activa e é bombardeada por radiações que criam oxidantes e formam, ao misturarem-se com a água, uma energia ideal para alimentar a vida.
Na quarta-feira, a revista Nature noticiou a descoberta, por parte de investigadores norte-americanos, de que Encelado, uma Lua de Saturno, tem uma actividade hidrotermal, o que abre a possibilidade da existência de vida.
Os peritos analisaram os dados enviados pela sonda Cassini, da NASA/ESA, que revelaram poeiras de rocha ricas em silício ejectadas por geiseres (nascentes em erupção que lançam jactos de água quente e vapor).




Planeta Saturno



A agência espacial norte-americana NASA revelou hoje uma impressionante nova imagem de Saturno, captada pela sonda Cassini, na qual é possível ver o planeta dos anéis em todo o seu esplendor, com os planetas Terra, Marte e Vénus em fundo.
Numa composição de 141 fotografias tiradas de forma a reproduzir as cores captadas pelo olho humano, o gigante de gás surge iluminado pelo Sol (que neste ângulo se encontra do outro lado do planeta), sendo visíveis várias das suas luas e os seus anéis (à excepção de um).
A imagem em alta resolução pode ser descarregada aqui.
Segundo o site especializado Space.com, que divulga esta terça-feira a fotografia, a imagem capta (na horizontal) uma extensão de 651.591 quilómetros. As fotos foram tiradas no dia 19 de Julho deste ano.
A sonda Cassini-Huygens é um projecto conjunto da NASA, ESA (agência europeia) e ASI (agência espacial italiana) lançada em 1997 que desde 2004 se encontra em órbita de Saturno, o segundo maior planeta do Sistema Solar.

 Titã 
 Imagem da superfície de Titã obtida pela sonda HuygensNASA/ESA
Quase 2% da superfície de Titã, a maior lua de Saturno, é líquida. Mas este líquido não é água, como acontece na Terra. Com uma temperatura à superfície de 180 graus Celsius negativos, a água estaria congelada. A dinâmica atmosférica de evaporação e condensação de Titã é desempenhada por outros compostos: o metano e o etano. Segundo o que se sabe, o metano que está à superfície vai-se evaporando e as suas moléculas são partidas devido aos raios de sol que atingem a atmosfera, acabando por produzir o etano. Por isso, chove etano em Titã e os cientistas pensavam que os mares desta lua seriam uma mistura destas duas moléculas.
Mas uma análise baseada na informação recolhida pela Cassini, uma sonda da agência espacial norte-americana NASA e da Agência Espacial Europeia (ESA), mostra que pelo menos o mar chamado Mare Ligeia é constituído à base de metano. O trabalho foi publicado recentemente na revista científica Journal of Geophysical Research: Planets.
“Antes da Cassini, esperávamos descobrir que o Mare Ligeia tivesse quase só etano. Em vez disso, o mar é constituído predominantemente por metano puro”, diz Alice Le Gall, uma investigadora que trabalha com um dos radares da Cassini, e que pertence ao Laboratório Atmosférico, do Ambiente, das Observações Espaciais francês.
A investigadora sugere algumas explicações para esta descoberta. “Ou o Mare Ligeia é reabastecido por chuvas de metano, ou alguma outra coisa está a retirar o etano de lá. É possível que o etano acabe na crosta submarina, ou que, de alguma forma, escoe para um dos mares adjacentes, o Mare Kraken. Mas para compreendermos o que se passa vai ser necessário fazer mais investigação”, diz Alice Le Gall, citada num comunicado da ESA.
Gelada, mas com lagos de metano, chuva de etano, uma atmosfera mais densa do que a da Terra, Titã é uma fonte de curiosidades. O facto de ter uma dinâmica atmosférica que faz lembrar a da Terra mas, ao mesmo tempo, estar submetida a condições tão diferentes só serve para causar um espanto acrescido.
Na Terra, o metano (uma pequena molécula constituída por um átomo de carbono ligado a quatro átomos de hidrogénio) está naturalmente no estado gasoso devido à temperatura muito superior do nosso planeta, e é um dos gases que alarma os cientistas por reforçar o efeito de estufa e potenciar as alterações climáticas. Mas na atmosfera de Titã, o efeito de estufa causado pelo metano permite que a pouca luz solar que atravessa a atmosfera e alcança a superfície torne a lua um pouco menos fria.
Até à missão da Cassini-Huygens, pouco era conhecido sobre esta e outras luas de Saturno, como a famosa Encelado, que se sabe agora que contém um oceano interior. A missão partiu da Terra em 1997 e chegou ao sistema de Saturno em 2004. Em Dezembro desse ano, a sonda Huygens (referência ao astrónomo holandês Christiaan Huygens, que no século XVII descobriu Titã) desacoplou-se da Cassini (referência ao astrónomo italiano Giovanni Cassini que descobriu outras quatro luas de Saturno também no século XVII) e aterrou em Titã, obtendo as primeiras e únicas imagens da superfície daquela lua.
Desde então, a Cassini, ainda em órbita do sistema de Saturno, tem usado os seus instrumentos para analisar Titã – o segundo maior satélite natural do sistema solar, maior do que a nossa Lua e do que o planeta Mercúrio, e apenas ultrapassado pela lua Ganimedes, que orbita Júpiter.
Titã tem três grandes mares localizados no pólo Norte, incluindo o Mare Ligeia, e muitos lagos mais pequenos a rodear estes grandes mares. No Hemisfério Sul, há apenas um grande mar. Ao todo, 1,6 milhões de quilómetros quadrados da superfície do planeta estão cobertos de líquidos. Numa experiência científica de 2013, um radar da Cassini permitiu calcular a profundidade máxima do Mare Ligeia: 160 metros.
Tal como a Terra, a atmosfera de Titã é quase maioritariamente composta por azoto. Além de etano, há muitos compostos orgânicos que vão sendo produzidos na atmosfera devido a várias reacções químicas. Parte destes compostos voltam à superfície trazidos pela chuva. Alguns dissolvem-se no mar de metano, outros não. Os dados do radar permitiram os cientistas descobrir que o fundo do Mare Ligeia tem uma camada rica em compostos orgânicos.
“É uma proeza da investigação maravilhosa que estejamos a fazer oceanografia extraterrestre numa lua alienígena”, considera Steve Wall, que lidera a equipa do radar da Cassini, e que pertence ao Laboratório de Propulsão a Jacto da NASA, em Pasadena, na Califórnia. “Titã não pára de nos surpreender.”  o metano tem quatro átomos de hidrogénio.

  
 Enceladus lua de Saturno



Planeta Plutão (anão)


Plutão é um pequeno planeta activo e tem picos gelados
NASA divulgou em 15.07.2015 a primeira imagem da superfície de Plutão, onde há montanhas que se elevam a mais de três mil metros.
Eram 20.30 (hora de Lisboa), quando a NASA divulgou, a primeira imagem das muitas que a sonda New Horizons fez da superfície de Plutão, quando ali passou à distância de 12 550 quilómetros, na terça-feira. A preto e branco, a foto mostra pela primeira vez em 85 anos de observações - Plutão foi descoberto em 1930 - estruturas geológicas perfeitamente nítidas na sua superfície.
"São grandes novidades", congratulou-se o principal investigador da missão, Alan Stern, durante a conferência de imprensa em que esta primeira imagem foi divulgada, juntamente com a primeira leitura sobre os dados.
O que se vê naquela foto, que mostra em detalhe uma pequena zona de Plutão que faz parte da enorme mancha em forma de coração que a New Horizons já tinha identificado durante a aproximação (ver imagem ao lado), são montanhas geladas, que se elevam a 3,5 quilómetros de altitude.
A sua primeira análise, feita ontem também pela equipa, revela que Plutão é um planeta activo, que aquela zona de rocha gelada é relativamente recente, terá algo como cem milhões de anos, e que o gelo é feito de água e não de hidrogénio ou de metano, como explicou, por seu turno, John Spencer, outro dos investigadores do projecto.
"Neste momento a sonda já está mais de 1,6 milhões de quilómetros para lá de Plutão", adiantou Alan Stern na ocasião, sublinhando que a sonda continua "de boa saúde" e a fazer observações.
"Hoje [ontem] recebemos dados de cinco dos [sete] instrumentos da sondas durante algumas horas", contou o cientista principal, notando que as novidades que eles já permitem verificar mostram que o conjunto de todos os dados "que estão agora armazenados na sonda tem muito para nos ensinar sobre Plutão".
Os cientistas da missão revelaram também que a mancha em forma de coração que a New Horizons deu a conhecer nos últimos dias da sua aproximação "ao pequeno planeta" - os cientistas da NASA, pelos vistos, preferem esta designação à oficial, que o classifica como planeta-anão - também já tem um nome definitivo. 
Eles decidiram chamar-lhe Tombaugh Regio, em homenagem ao jovem astrónomo norte-americano Clyde W. Tombaugh, que, após um ano de observações sistemáticas no Observatório Astronómico Lowell, no Arizona , descobriu Plutão, em 1930.
Depois da revelação destes primeiros dados, e depois de quase dois dias ininterruptos cheios de expectativa e de muito entusiasmo, a equipa da New Horizons espera ter mais novidades para apresentar amanhã, depois de ter mais dados enviados pela sonda. Como sublinhou Alan Stern, esta foi apenas "a primeira de muitas lições que Plutão tem para nos ensinar".

Rumo ao desconhecido

Após o encontro imediato com Plutão e com a sua maior lua, Caronte, que pela primeira vez foi também olhada de perto, a New Horizons seguiu o seu caminho e só sete horas depois deu sinal de vida. Uma espera que foi quase uma guerra de nervos, mas que acabou em bem, como se sabe.
O tão esperado sinal de rádio, enviado pela nave dos confins do sistema solar, chegou à hora certa, já de madrugada, quase às duas da manhã de ontem, em Lisboa. Quando Alice Bowman, a directora de operações no centro de controlo de voo, instalado no Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, disse as tão esperadas palavras "temos a telemetria, ela está de boa saúde", a expectativa deu lugar a uma vaga de aplausos.
Agora a New Horizons já se encontra muito para lá de Plutão, e está a embrenhar-se cada vez mais na Cintura de Kuiper, na fronteira do sistema solar, onde se albergam muitos mais "pequenos planetas", ou "pequenos corpos gelados", como lhes chamam os cientistas da New Horizons.
Os dados que receberam dela ontem, e que permitiram apresentar pela primeira vez uma imagem de Plutão radicalmente diferente daquelas que estávamos habituados a ver, são apenas o princípio de todo um novo capítulo que começou agora a escrever-se sobre o planeta-anão e as suas cinco luas. Os dados que a sonda tem armazenados depois deste encontro vão levar 16 meses a ser enviados para a Terra. E o que se segue é mais um mergulho no desconhecido.


Há céus azuis e água em Plutão

A água encontra-se no estado sólido e só é visível nalgumas regiões do planeta-anão.
As primeiras imagens da atmosfera de Plutão enviadas pela sonda New Horizons, enviada pela NASA até ao sistema solar exterior, mostram que os céus do planeta-anão são azuis. Informação enviada pela mesma sonda permitiu ainda saber que existe água em estado sólido em Plutão, divulgou a agência espacial norte-americana esta quinta-feira.
"Quem imaginaria que haveria um céu azul na Cintura de Kuiper?", disse Alan Stern, o principal cientista ligado à sonda New Horizons, citado num comunicado da NASA. A fotografia da atmosfera do planeta tirada pela sonda mostra como as partículas do nevoeiro refractam a luz azul.
As partículas em si serão, em princípio, cinzentas ou vermelhas, e de um tamanho um pouco maior do que as partículas mais presentes na atmosfera terrestre, moléculas de azoto. A atmosfera de Plutão será, assim, principalmente constituída por "partículas semelhantes à fuligem a que chamamos tolinas", explicou a cientista Carly Howett. As tolinas formar-se-ão na parte superior da atmosfera, a partir da interacção da luz solar com moléculas de azoto e de metano.
A sonda New Horizons descobriu também a existência de água gelada na superfície do planeta-anão. A água gelada só é visível nalgumas regiões do planeta-anão - grande parte da superfície de Plutão não mostra gelo de água exposto. Noutras áreas, a água gelada "estará coberta por outros gelos mais voláteis", explicou o cientista Jason Cook. "Perceber por que é que a água aparece onde aparece, e não noutro lugar, é um desafio que estamos a começar a enfrentar".
A revelação da presença de água em Plutão já começou a ser falada desde a semana passada, quando Alan Stern disse, na apresentação de novas fotografias da lua de Plutão, Caronte: "Este mundo está vivo", e acrescentou, "Todas as semanas fico incrédulo. A NASA não me deixa dizer o que vos vamos contar na quinta-feira. É incrível". Esta quarta-feira, quando o anúncio do dia seguinte começou a ser antecipado, Alan Stern veio desmentir que qualquer coisa fosse passar-se.
Através da conta não-oficial do Twitter, NewHorizons2015, que é usada pelo principal cientista Alan Stern, o rumor foi desmentido. "Não faço ideia como [as minhas declarações] foram mal interpretadas, mas foram", afirmou. Mas afinal, quinta-feira, sem mais nenhuma notícia do que aí vinha, a NASA anunciou a descoberta do céu azul de Plutão e de gelo na superfície do planeta-anão.


As luas de Plutão fazem uma "dança cósmica"
Claron lua de Plutão
Plutão não deixa de surpreender,  os cientistas  olham para as suas luas. Hidra, Nix, Cérbero e Estige parece que dançam à volta do planeta anão e do seu satélite mais próximo, Caronte, e o movimento dos astros tem maravilhado os cientistas.
O satélite Hidra, descoberto em 2005, é o que está mais afastado do centro e  tem a rotação mais veloz - rodopia sobre si próprio 89 vezes a cada órbita que completa à volta do sistema planetário duplo Plutão/Caronte. O tamanho do astro ainda não é exacto, as estimativas  variam dos 40 a 130km de diâmetro.
Com velocidades e eixos de rotação diferentes, o movimentos das quatro luas de Plutão é descrito como "uma dança cósmica com um ritmo caótico" por John Grunsfeld, físico e astronauta da NASA.
"Se estivesse sentado no satélite Nix, veria que a Estige gira em volta de Plutão duas vezes por cada três voltas dadas pela lua Hidra", comentou Doug Hamilton, um dos investigadores da Universidade de Maryland responsáveis pelo modelo agora apresentado.
O Sistema Plutão, como é chamado, tem no centro o planeta anão e a lua Caronte, com quase metade do diâmetro do anterior. A relação entre Plutão e o seu satélite mais próximo é única no sistema solar, pois Caronte também exerce uma força gravitacional sobre Plutão. Juntos, os astros formam um sistema binário, ou planeta duplo, com quatro luas.
A possibilidade de Plutão ter vulcões também tem chamado a atenção da comunidade de cientistas e físicos da NASA. A sonda New Horizons enviou para a Terra imagens do que parecem ser vulcões de gelo com dezenas de kms de largura e vários quilómetros de altitude. Os investigadores assumem que os vulcões, se for comprovado que o são, libertem lama gelada com vestígios de água, nitrogénio e metano.


um nono planeta no sistema solar?


Um nono planeta no sistema solar, muito para lá de Plutão? Primeiro, os astrónomos Mike Brown e Konstantin Batygin, do California Institute of Technology (Caltech) ficaram muito, muito céticos. Era para aí que apontavam as contas de Chad Trujillo e Scott Shepperd, dois jovens pós-docs que em 2013 estavam na equipa de Brown, mas claro que não podia ser. Ou podia?

 Caltech/R. Hurt (IPAC) Uma ilustração do nono planeta, com o Sol ao fundo


Espicaçado pela curiosidade, e mais para rebater a ideia do que para tentar validá-la, Brown propôs a Batygin que olhassem ambos melhor para os dados. E depois de ano e meio de simulações computacionais e de muita física e matemática acabaram por descobrir aquilo de que não estavam à espera. Tudo indica que existe um nono planeta no sistema solar, que será 10 vezes maior do que a Terra e que orbita o Sol a uma distância 20 vezes superior àquela a que está Neptuno da nossa estrela: 4,5 mil milhões de quilómetros. O Caltech anunciou hoje a descoberta.

As contas estão feitas e agora só falta encontrar esse planeta, cuja dimensão o salva de se ser um planeta-anão, a etiqueta que se colou a Plutão e a todos os objectos que orbitam para lá dele, naqueles confins gelados do sistema solar.

Embora ainda não tenha sido observado directamente, Mike Brown e Konstantin Batygin publicaram os seus resultados na revista Astronomical Journal e baptizam como Planeta Nove o novo objecto que emerge das suas equações e simulações.

"É verdadeiramente um nono planeta", assinala Mike Brown, no comunicado do Caltech. "É um pedaço bastante substancial do nosso sistema solar que está aí à espera de ser descoberto, o que é muito entusiasmante", sublinha o investigador.

Uma pergunta tem, no entanto, de ser feita - e os dois astrónomos fazem-na. De onde sai agora, assim de repente, um planeta gigante, a orbitar o Sol, muito para lá de Plutão?

Para responder à questão, Mike Brown e Konstantin Batygin contam a história do sistema solar com uma única e subtil mudança em relação à tese hoje consensualmente aceite pelos astrónomos. Nos primórdios dos sistema solar, em vez dos quatro núcleos planetários que vieram a dar origem aos gigantes gasosos Júpiter, Saturno, Urano e Neptuno, haveria cinco desses núcleos, e o quinto, que terá dado origem ao planeta Nove, se se tivesse chegado demasiado a Júpiter e a Saturno teria sido ejectado por ambos para as paragens distantes onde agora Mike Brown e Konstantin Batygin dizem que ele se encontra.

Os dois astrónomos, sublinha o comunicado do Caltech, continuam a refinar as suas simulações para compreender melhor este planeta e os efeitos que ele produz nos outros objectos na região do sistema solar onde se encontra e a outra busca, a da sua detecção directa com alguns dos maiores telescópios do mundo, como o de Mauna Kea, no Havai, também já se iniciou, liderada por Mike Brown.
"Adoraria encontrá-lo", diz o investigador, sublinhando, no entanto, "que será bom na mesma se ele for encontrado por outros". A publicação do artigo com o anúncio do planeta Nove tem, de resto, exactamente esse objectivo, afirma Brown. "O que esperamos é que outras pessoas se sintam inspiradas e comecem a procurar também".

Asteróides

O asteróide do Dia das Bruxas, quatro vezes maior do que um campo de futebol, vai passar hoje à tarde, em segurança, perto da Terra, informou a agência espacial europeia ESA.
Grande asteróide passa hoje, dia 31 de Outubro de 2015 em segurança, próximo da Terra
A passagem do 2015 TB145, a uma distância de 480 mil quilómetros, ocorrerá pelas 17:00 TMG (mesma hora em Lisboa).
O asteróide apenas poderá ser observado com telescópios.
A agência espacial norte-americana NASA estima que o asteróide seja, até 2027, o maior corpo rochoso conhecido a aproximar-se do "planeta azul".
O 2015 TB145 foi descoberto a 10 de Outubro, a partir do Havai, nos Estados Unidos.
A ESA confirmou a descoberta a partir do seu observatório no Tenerife, Espanha.
O asteróide vai passar pela Terra a uma distância 1,3 vezes a que separa o "planeta azul" da Lua, de acordo com cálculos dos astrónomos. Uma distância que, apesar de tudo, é próxima em termos cósmicos.
No entanto, assegura a ESA, não existe qualquer hipótese de o corpo colidir com a Terra, nem mesmo, pelo menos, nos próximos cem anos.
O asteróide não consta na lista da agência espacial europeia de objectos que apresentam risco para o planeta.
Todavia, o facto de um corpo celeste tão grande, que podia causar danos significativos caso chocasse com a Terra, ter sido descoberto apenas 21 dias antes da sua aproximação ao planeta, leva os astrónomos a pensarem na necessidade de manter a vigilância diária do céu nocturno.
A ESA tenciona, no fim do próximo ano, testar a tecnologia de um telescópio capaz de identificar automaticamente a órbita de corpos celestes potencialmente ameaçadores para a Terra, a maiores distâncias.
Estimativas apontam, segundo a agência espacial europeia, para cerca de cinco mil objectos do tamanho do 2015 TB145 nas proximidades da Terra, sendo que uma fracção significativa deles ainda não foi descoberta.
O asteróide 2015 TB145, do qual os cientistas esperam recolher mais informação depois da sua aproximação ao "planeta azul", viaja a cerca de 35 quilómetros por segundo, em relação à Terra, uma velocidade maior quando comparada com a de outros asteróides na dita zona de proximidade do "planeta azul".
De acordo com o Instituto de Astrofísica das Canárias, em Espanha, os parâmetros da órbita que o 2015 TB145 apresenta são próprios de um cometa extinto ou adormecido.

Cometas



Descoberto por uma dupla de astrónomos amadores russos, em Setembro de 2012, o ISON deverá tornar-se visível a olho nu nas madrugadas de Dezembro e noites de Janeiro. Para já, é possível vê-lo com recurso a telescópios, embora já haja relatos de avistamentos só com binóculos.
Considerado o "cometa do século", o ISON está a ficar cada vez mais brilhante, à medida que se aproxima do Sol. Os astrónomos prevêem que possa tornar-se o mais luminoso do século graças à rota que o levará excepcionalmente perto da nossa estrela: a 28 de Novembro deverá ficar a "apenas" 1,16 milhões de quilómetros do Sol, levando a que o calor - qualquer coisa como 2.760 graus Celsius - vaporize o corpo gelado do cometa, criando uma cauda de brilho intenso.
Existe ainda a possibilidade de o calor o destruir, mas os cálculos mais recentes apontam para a sobrevivência do ISON e consequente espectáculo nocturno.
Oriundo das fronteiras do sistema solar, o cometa faz hoje a sua maior aproximação ao Sol, que pode também ser a última.
Vindo dos confins do sistema solar, o cometa Ison tem hoje(dia 28.11.2013) a sua prova de fogo quando passar a rasar o Sol, a uma distância "mínima" de pouco mais de um milhão de quilómetros. Se as altíssimas temperaturas e a força gravitacional do Sol não o desfizerem em pedaços, o Ison tornar-se-á visível a olho nu nos céus do hemisfério Norte, a partir de 3 de Dezembro. A ser assim, os astrónomos prevêem, então, que ele vai proporcionar um espectáculo celeste notável por alturas do Natal.
Para já, todos os olhares estão hoje postos na caminhada do Ison, na sua aproximação ao Sol, e a expectativa é enorme. Sobre o desfecho deste encontro cósmico imediato, quase se fazem se apostas e, embora nenhum astrónomo se comprometa com ante visões definitivas, a maioria parece, mesmo assim, pender para as visões mais catastróficas, do ponto de vista do cometa.
O cometa Ison passa esta quinta-feira próximo do Sol, um fenómeno que dificilmente será observável a partir da Terra, devido ao facto de o seu brilho ser ofuscado pelo do "astro-rei".
Ison, que foi avistado pela primeira vez em Setembro do ano passado por astrónomos russos, é um cometa especial que vem da nuvem de Oort, uma camada que rodeia todo o Sistema Solar e que, acreditam os cientistas, é formada pelos restos da nebulosa que deu lugar ao Sol e aos planetas que o rodeiam, há cerca de 4.600 milhões de anos.
Em declarações à agência Lusa, João Retrê, director do Departamento de Mediação Científica do Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL), referiu que quando o cometa passar perto do Sol será extremamente difícil de observá-lo a partir da Terra, mesmo recorrendo a telescópios.
A melhor altura para tentar observar este cometa será no início de Dezembro, a leste, antes do nascer do Sol. "A partir da segunda quinzena de Dezembro, o brilho do cometa terá diminuído tanto que só o conseguiremos observar recorrendo ao auxílio de telescópios ou binóculos", explicou João Retrê.


Cometa quase atingiu a Terra nesta terça-feira,22.03.2016, segundo a Nasa
Um cometa passou de “raspão” pela Terra nesta terça-feira. O astro ficou a apenas 3,5 milhões de Km do nosso planeta, o equivalente a nove vezes a distância da Lua. Em relação a distância no universo, o cometa passou realmente muito perto e foi o terceiro cometa mais próximo da história recente.
No entanto, ele é relativamente pequeno (230 metros de diâmetro) e, por isso, não pôde ser visto a olho nu. O tamanho do astro se deve ao seu possível desprendimento de outro cometa, de acordo com a agência especial. "Talvez durante uma passagem pelo sistema solar ou durante uma aproximação por Júpiter, um pedaço possa ter se desmembrado do 252P e originado o BA14", comenta a Nasa em um comunicado.
De acordo com a revista Exame, a Nasa confirmou que a aproximação do P/2016 BA14 não foi uma ameaça para a humanidade. “Em vez disso, é uma excelente oportunidade para o avanço científico no estudo de cometas”.
Perseidas


Todos os anos, tem lugar a meio de Agosto o pico da chuva de Perseidas, uma chuva de meteoros visível mais facilmente no hemisfério norte. Já pode começar a preparar-se: este ano, o evento acontece entre 12 e 13 de Agosto.
Esta chuva de meteoritos é composta por pedaços do cometa Swift-Tuttle, que está próximo da órbita terrestre. O campo gravitacional da Terra acaba por atrair alguns desses pedaços, que entram na atmosfera a uma velocidade que pode chegar aos 59 quilómetros por segundo e parecem surgir do "interior" da constelação Perseu.
No caso das Perseidas, o pico do fenómeno vai dar-se entre as 7h30 e as 10h00 de Portugal no dia 13 de Agosto, o que significa que não será possível assistir. No entanto, na noite de 12 para 13 alguns meteoros serão possíveis de encontrar até ao amanhecer.
A NASA e o Observatório Astronómico de Lisboa aconselham aos que pretendem assistir à chuva de meteoros que se afastem das luzes da cidade. O melhor será dirigir-se para um local longe da cidade, escuro, onde é possível ver o céu sem interferência de luz artificial.
O planeta de Saturno também será visível durante essa noite. Quanto à chuva de Perseidas, espera-se que no seu pico surjam mais de 100 meteoros por hora.
Imagens: ESO/S. Guisard.


Descoberto planeta rochoso mais próximo da Terra
A NASA anunciou esta quinta-feira a descoberta do planeta rochoso extra solar mais próximo da Terra, mas maior do que o "planeta azul".
O exo-planeta em causa, chamado HD 219134b, está a 21 anos-luz da Terra, mas órbita muito perto da sua estrela para albergar vida, refere a agência espacial norte-americana em comunicado.
A 'super Terra' pode ser vista directamente, mesmo com telescópios, e a sua estrela é observável a olho nu, em céu escuro, na constelação da Cassiopeia, próximo da estrela polar.
Segundo a mesma nota, o HD 219134b é também o planeta, fora do Sistema Solar, mais próximo da Terra a ser detectado em trânsito, a passar em frente da sua estrela, e, por isso, é um corpo celeste ideal para futuros estudos, nomeadamente para se perceber se tem atmosfera.
Se o HD 219134b tiver atmosfera, a sua composição química pode imprimir uma 'assinatura' na luz da estrela observada.
"Este exo-planeta será um dos mais estudados nas próximas décadas", afirmou o investigador Michael Werner, da NASA.
O planeta foi inicialmente descoberto com o auxílio do instrumento HARPS do telescópio italiano Galileu, instalado nas Canárias, Espanha.
Usando o método da velocidade radial (a velocidade de uma estrela ao longo da linha de vista de um observador), os astrónomos calcularam que o HD 219134b tem uma massa 4,5 maior do que a Terra e demora três dias a completar uma volta em torno da sua estrela.
Posteriormente, os astrónomos seguiram a 'super Terra' com o telescópio espacial Spitzer, da NASA, e detectaram a sua passagem em frente da sua estrela.
Os dados recolhidos do telescópio, no registo da radiação infravermelha, revelaram que o tamanho do HD 219134b é 1,6 vezes maior do que a Terra.
Combinando o tamanho e a massa do exo-planeta, os astrónomos chegaram à sua densidade e confirmaram que se trata de um planeta rochoso, tal como a Terra. A principal autora da investigação, Ati Motalebi, astrónoma do Observatório de Genebra, na Suíça, crê que o HD 219134b será o alvo ideal para um estudo, mais detalhado, com o telescópio espacial James Webb, em construção e cujo funcionamento está previsto para 2018.
O sistema planetário ao qual pertence este exo-planeta é formado por mais três planetas, mas menos próximos da Terra. Dois deles são relativamente pequenos e não estão muito longe da sua estrela.
O trabalho, divulgado esta quinta-feira, foi aceite para publicação na revista Astronomy and Astrophysics.
De acordo com a NASA, o planeta extra solar mais próximo da Terra, o GJ674b, está a 14,8 anos luz do "planeta azul", mas a sua composição é desconhecida.
Há uma semana, a agência espacial norte-americana anunciou que o telescópio Kepler detectou o primeiro exo-planeta, o Kepler-452b, na 'zona habitável' da órbita de uma estrela semelhante ao Sol, o que o torna num dos melhores candidatos a albergar vida extraterrestre.

Sem comentários:

Enviar um comentário